Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

A importância do change management no ciclo de desenvolvimento de produto (PLM)
O ciclo de vida de qualquer produto dentro de uma empresa é um grande passo estratégico para alcançar objetivos. Veja o case da Embraer.

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

Não importa o tamanho da empresa que você trabalha ou montou, sempre haverá algum projeto ou desenvolvimento de produto para ser realizado. Muitas vezes, por meio do PLM.

Isso acontece desde ideias que podem ser concretizadas em um dia até aquelas à longuíssimo prazo.

Uma coisa nunca deve mudar, que é o cuidado com a gestão e armazenamento das informações do ciclo de vida do produto em questão.

Um dos grandes desafios que se tem em qualquer projeto é gerir todo material em meio à quantidade de pessoas envolvidas nele.

Se o time dedicado é compacto, ferramentas simples de controle já são capazes suprir sua necessidade.

Agora, imagina se o projeto for dentro de uma empresa de mais de 100 anos de mercado, ultrapassando a marca de 17.000 colaboradores, 6 mil engenheiros, onde 4.000 deles precisarão de treinamento para utilizar a ferramenta que guiaria todo o processo?

No ano passado, Henrique Ladeira, gerente do programa de implantação do PLM (Product Lifecycle Management) da Embraer passou por essa situação.

Em sua palestra no Product Management Conference, evento realizado pela Blueprintt, ele contou como uma empresa deste porte conseguiu aplicar no desenvolvimento do produto, um avião modelo E-2  –, que, aliás, é um dos seus carros-chefes da empresa – esta imponente ferramenta de controle de projetos.

Veja as principais lições a seguir.

O que é o ciclo de desenvolvimento de produto (PLM)?

O conceito desta ferramenta não foge à sua tradução literal, que nada mais é do que a gestão do ciclo de vida dos produtos em seus projetos de desenvolvimento.

Há diversas empresas no mercado que oferecem este serviço, de várias formas diferentes, tudo vai depender do que você precisa naquele momento.

Então, se você precisa envolver muitas ou poucas pessoas, se precisa focar na gestão da informação, no portfólio do produto ou nas anotações fora dos documentos oficiais, haverá uma variação dele que contemple sua necessidade.

Como funciona?

O PLM dispõe de diversos módulos, que tem como objetivo principal, a gestão de documentos e dos dados estruturais do produto que a empresa escolher.

Entre seus benefícios, ela pode otimizar a comunicação das equipes, através de diretórios e e-mails de forma integrada, até o compartilhamento de informações estruturais e gráficas do projeto.

A gestão do conhecimento gerado pelo trabalho das pessoas envolvidas no trabalho também é um grande diferencial.

Com ela é possível gerir arquivos não estruturados (anotações, comentários e notas), cruzar dados anteriores, registrar feedbacks, entre outros.

Não podemos esquecer também dos benefícios da centralização de decisões logísticas sobre o projeto. Ou seja, orçamentos, durabilidade de itens, registro de peças faltantes e os responsáveis por elas e assim por diante.

E, talvez uma das funcionalidades mais importantes, é a possibilidade de poder consultar e cruzar todos estes dados dentro de grandes projetos e extensos projetos, assim como de um avião.

Como a Embraer lidou com a implantação do PLM no projeto do avião E-2 

“Antes de dar qualquer passo, a primeira coisa a se pensar é que pessoas, processos e tecnologia têm que andar juntos para algo funcionar”, frisa Henrique Ladeira.

A partir desta tríade citada, ele revelou que uma de suas pontas foi a mais importante e o norte desta mudança tão importante para a Embraer: as pessoas.

Para o líder de PLM desta gigante do setor aéreo, a mudança na cultura de trabalho das pessoas que estarão envolvidas com esta nova ferramenta e, futuramente, toda a empresa, é fundamental.

Ainda mais levando em consideração o cenário da Embraer, em que o objetivo era ter mais de 4.000 pessoas nesta empreitada.

Além disso, há muitas particularidades em todo o setor e, especificamente, na construção de aeronaves que, caso não sejam bem planejadas, podem colocar todo um projeto por água abaixo. Mais um ponto que demonstra a necessidade da utilização do PLM.

“Aeronaves passam por reciclagens após 30 ou até 40 anos de uso e, no meio de tudo isso, informações não podem se perder” salienta Ladeira.

Ele também levantou o fato de que uma aeronave chega a ter em torno de 60 mil peças, com um custo de US$ 10 à US$ 20 mil dólares cada, falando apenas de sua gestão.

Por isso, a qualidade e acessibilidade de informações ao seu redor é tão importante.

Como implantar o PLM?

Uma das ações realizadas pela Embraer foi com base no poder da comunicação. Para a mensagem desejada chegar a todos, eles fizeram treinamentos, vídeos para a TV interna da empresa, e-mails, banners, wallpapers, idas a eventos que falassem de PLM, entre outros.

Mas, como em toda empresa, algumas mais outras menos, para que toda esta comunicação tenha resultados eficientes, há mais dois pontos de atenção: benefícios e apoio das lideranças.

É necessário que todos os colaboradores enxerguem os benefícios que virão com esta mudança, sejam eles financeiros, de crescimento profissional ou diminuição do tempo dedicado de trabalho.

Para ilustrar o processo de aceitação dos colaboradores a grandes projetos como este, Ladeira nos dá a seguinte escala evolutiva:

  • O primeiro momento é a mudança em si;
  • Após isto, a sensação de paralisia em todos;
  • E, então, o sentimento de negação trona-se inevitável;
  • Assim chegamos a raiva, um ótimo momento para negociar com o time as respostas de perguntas como: será que isso será bom para mim? O que vou ganhar com esta mudança?;
  • Então, temos a chegada da depressão, com o pesar de ter que recomeçar aprendizados do zero e ainda a sensação de perda;
  • Ao avançar, chegamos a fase de experimentação;
  • Até assim chegarmos a aceitação.

Mas, lembre-se, não deixe ninguém para trás neste processo, se alguém não conseguir sair desse ciclo, uma peça do quebra-cabeças estará perdida.

“Não há melhor momento do que quando a pessoa começa a questionar: e se eu fizer assim? E se desse jeito for melhor?”, salienta Ladeira.

E é então este o momento de identificar aquelas pessoas que realmente querem e vão embarcar nisso, os early adopters.

Toda grande carga (de trabalho, no caso) precisa de uma locomotiva para transportá-la, por isso a grande importância na identificação e mapeamento destas pessoas.

Elas devem ser registradas na ferramenta, junto com aquelas que também demonstram grande tendência em atrapalhar alguns avanços, incluindo a alta gestão.

Junto a estes rastreamentos, também devem ser registrados os pontos focais de movimentação de budget e logística, para facilitar a movimentação de milhares de peças envolvidas no projeto, como no caso da Embraer.

Vire a chave e peça ajuda

Para coordenar e compartilhar know how suficiente para engrenar estas e várias outras ferramentas de aplicação desta ferramenta, é indispensável contar com a ajuda de uma empresa terceirizada que, de preferência, não esteja ligada a outras empresas fornecedoras de PLM, no caso da Embraer a parceria foi com a Sindata.

Mais algumas dicas do gerente do programa de implantação do PLM são:

  • Comece por projetos que já tenham alguma maturidade para testar;
  • Separe o projeto em pequenas entregas, assim há um espaço para acompanhamento de erros antes que do término completo;
  • Tenha uma equipe dedicada e um “gestor de mudança”, preferencialmente da empresa que está realizando a consultoria.

Quanto às pessoas, para acelerar o aprendizado, a Embraer procurou utilizar a teoria 70/20/10: 70% prática, 20% networking e 10% teoria.

Além de colocar em prática, o que chamou Ladeira de “queimar as caravelas”, que nada mais é do que eliminar antigas ferramentas, pois quanto mais acesso as pessoas têm acesso a elas, maior a tendência de quererem retomar processos passados.

“Geralmente pensamos que as mudanças são como um elefante. E são mesmo. Então como podemos empurra-lo pelo caminho certo, sem fazer com que ele dê passos para traz?”, indaga Ladeira.

A Embraer será novamente uma das palestrantes do Product Management Conference, que será realizado pela Blueprintt entre os dias 13 e 14 de fevereiro em São Paulo.

O evento reunirá 18 apresentações e 10 casos práticos sobre como transformar dados, tecnologia e experimentação em informação relevante para o desenvolvimento de produtos.

Saiba mais sobre o evento e participe!

Autor

Barbara Marques

Barbara é graduada em Jornalismo pela FIAM-FAAM, atua profissionalmente há cinco anos, tanto em conteúdo factual, quanto para empresas. É especialista em produções relacionadas à tecnologia, fraude, business e marketing, entre outros. Além de vasto conhecimento em cobertura de eventos, palestras e coletivas.