Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Conheça a carteira digital que permite pagamentos via QR Code
Entenda como a BePay promove a disseminação da tecnologia, que ainda é pouco utilizada no Brasil em relação a outros mercados internacionais.

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

A Brasil Pré-Pagos lançou a BePay, carteira digital que permite a pessoas físicas e varejistas realizarem pagamentos, recebimentos e transferências via smartphone através da geração de um QR Code. Isso mesmo! Pagamentos via QR Code.

A carteira funciona como uma conta digital com Mobile Point of Sale (mPOS), substituindo a maquininha de cartão para transações.

Guilherme Corbini, diretor de parcerias da BePay, conta como o mercado recebeu a novidade e os principais desafios na disseminação da tecnologia, que ainda é pouco utilizada no Brasil em comparação com outros mercados internacionais.

Segundo Corbini, o foco da BePay é realmente criar parcerias para que a empresa se torne referência na plataforma de pagamento para vários outros players. Atualmente o aplicativo tem foco B2C, mas a sua plataforma de pagamento é beta para várias empresas.

A BePay é uma spin-off dentro do Grupo Brasil Pré-Pagos (BPP), que hoje é uma holding que atua no pagamento no meio de pagamento com cartão pré-pago e, mais recentemente, também para conta digital. A BePay é uma empresa diferente dentro do mesmo grupo, que veio para complementar essa parte de recebimento.

Como funciona a BePay

As formas de pagamento da BePay é via mPOS com wallet, a carteira digital que responsável por tokenizar cartões das bandeiras Visa e Mastercard de qualquer emissor, funcionando como uma conta digital pré-paga.

Existem também abertas as APIs do BePay, que permitem aos parceiros que querem usar o meio de pagamento BePay dentro do seu aplicativo, empresa ou fintech.

A principal forma de pagamento dentro do aplicativo do BePay é o QR Code. Corbini explica que a escolha do QR Code como uma das principais formas de pagamento é porque o QR Code já é uma forma consolidada, presente no mercado há mais de 24 anos, sem contar a agilidade que o caracteriza como uma das opções mais viáveis hoje.

O QR Code nasceu na indústria japonesa de automóveis e foi criado para controlar estoques, movimentações e todo o processo industrial automotivo. Atualmente ele é muito utilizado em vários modelos de negócio, não só para pagamentos.

Utilização:

  • Você baixa o aplicativo;
  • Carrega um valor determinado (que é possível pagar via boleto, a forma mais comum no pré-pago atualmente);
  • Realiza movimentações financeiras através do QR Code com o saldo disponível.

Para carregar o valor, uma das formas é inserir um cartão de crédito (atualmente as bandeiras disponíveis no aplicativo são Visa e Mastercard) e realizar a tokenização deste cartão dentro da sua wallet (carteira digital).

Dessa forma se pode utilizar sua conta digital para pagar outra conta do BePay (no momento que você é o pagador você também é um recebedor; você pode fazer o credenciamento na plataforma e se tornar os dois).

O objetivo do BePay é levar o recebimento do cartão de crédito para todas as pessoas, sem a necessidade de adquirir a famosa maquininha de cartão.

“Outra forma é receber o saldo de um amigo, por exemplo. O BePay possui a funcionalidade P2P, para você transferir de uma conta para outra sem QR Code onde é possível realizar a transferência para o número de celular, então quem não está próximo, ao invés de usar o QR Code, você tem a pessoa na sua agenda que também tem um BePay e você realiza a transferência para conta dessa pessoa”, explica Corbini.

E existe também a opção de transferência bancária por meio de um TED da conta pessoal para a conta do BePay – opção hoje disponível só para parceiros CNPJ, embora tudo indica que a empresa pretende expandir muito em breve a possibilidade para pessoa física.

Vantagens do modelo QR Code do BePay

A grande vantagem do modelo desenvolvido pelo BePay é que o pagador pode estar off-line para realizar a ferramenta.

Toda parte de segurança está atrelado ao mobile por meio da autenticação da geração da conta e do pin de segurança que é gerado, que criam chaves dentro do aparelho do cliente que permitem que somente ele gere um QR Code seguro e válido para sua conta, logo, o usuário não precisa estar online para gerar aquele valor.

Ele simplesmente escolhe os cartões tokenizados que ficam armazenados de forma local no aparelho – a única coisa que ele não consegue acessar se ele tiver off-line é o saldo que ele tem disponível no momento.

Outra vantagem é que o fluxo de autorização do QR Code é muito semelhante ao fluxo do que se tem com o cartão que utilizamos hoje. Ele funciona de forma similar, onde o pagador escolhe a forma de pagamento seja qual for, ativando o autorizador e devolvendo essa transação autorizada ou negada para o caixa.

Desvantagens do modelo QR Code do BePay

Para utilizar o QR Code do BePay é necessário uma câmera. Nem todos os celulares da população brasileira possuem câmeras com leitura de bidimensional, o que inviabiliza a utilização deste meio de pagamento para grandes players, como redes de supermercados, por exemplo.

É uma negociação morosa por ser um custo alto de entrada para fornecedores, além da dificuldade de integrar uma tecnologia nova de ponta a ponta, vai demorar um tempo para o mercado como um todo se adaptar”, esclarece o diretor do BePay.

Outra desvantagem é que o pagador precisa de uma conexão para mandar essa autorização a lugares que não têm acesso à internet, tornando o processo muito mais difícil e até inviável dependendo do local que se está.

Tecnologia NFC

Assim como o QR COde, a tecnologia NFC têm despertado um interesse ocidental, já sendo um sucesso consolidado no oriente.

“Já teve lançamento de pulseiras e relógios usando grandes bandeiras para efetuar pagamentos aproximando-os do celular, sem precisar tirar o cartão do bolso, mas somente os celulares mais avançados possuem essa tecnologia, o que torna a dificuldade maior, já que nem todos têm habilitados o NFC”, observa Corbini.

Segundo ele, ainda existe uma forte resistência dessas tecnologias como um todo, principalmente pela facilidade da movimentação financeira – imagine não ter que usar senha para realizar um pagamento, o que gera ainda mais desconfiança.

Por conta dessas grandes desafios, as parcerias têm sido a grande sacada de mestre da empresa. As companhias clientes utilizam as APIs do BePay para criarem sua carteira ou modelo de negócio baseado na conta digital e facilitar processos. Muitos modelos baseados em crowdfunding, por exemplo, se beneficiam disso.

O diretor de parcerias do BePay acredita que a empresa de pagamento do futuro não vai ter precisar mais de caixas nem máquinas de cartão (assim como o Uber não possui veículos, nem o AirBnb possui quartos de hotel).

Assim como ele, muitos acreditam que o celular – ou outro dispositivo – deve tomar conta de tudo. Agora é apostar para saber qual será a tecnologia dominante.

O que achou da tecnologia?

Deixe seu comentário abaixo.

Autor

Jessica Moraes

Jessica é formada em Jornalismo e Pós Graduada em Marketing Digital, escreve sobre Negócios, Tecnologia, Inbound Marketing, Moda e Empreendedorismo.