Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

O crescimento do business agility nas organizações
Business agility desafia a capacidade das empresas na busca por agilidade e efetividade para se adaptar às mudanças do mercado

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

Quando uma empresa percebe um esgotamento no modelo da organização é um sinal muito importante. É crucial considerar a mudança a fim de evitar surpresas negativas pela frente. Isso justifica o crescimento do business agility nas organizações.

Ninguém quer ser surpreendido por coisas negativas, ainda mais uma empresa onde muitas rendas estão em jogo. Nesse contexto onde a evolução se faz presente a cada dia, a chave para continuar crescendo é ser ágil e flexível diante o mundo completamente instável.

Business agility, também conhecido como agilidade organizacional, é a capacidade de uma empresa de ser adaptável, flexível e criativa em um ambiente em mudança. As empresas ágeis respondem rapidamente a oportunidades ou ameaças, sejam internas (operações de negócios com falha) ou externas (por exemplo, mudanças nas tendências ou mercados competitivos).

O aumento do uso de business agility não é uma moda, o modelo pode colaborar muito com o planejamento da empresa, ainda mais em tempos de crise.

A crise do COVID-19 trouxe vários desafios para as empresas. Muitas já foram afetadas financeiramente e a economia global está prevista para ser atingida por um trilhão de dólares, de acordo com o Fórum Econômico Mundial.

Para superar todos esses fardos, os empregadores estão se tornando mais ágeis. Quando o surto de COVID-19 evoluiu para uma pandemia, as empresas tomam medidas drásticas para proteger os colaboradores em um prazo muito curto. Desde que a maioria das empresas leva muito tempo para tomar uma decisão e depois agir de acordo com ela, esse era um pedido desesperado por maior agilidade em um prazo muito curto. A ênfase da agilidade é — e continuará sendo — em três áreas: necessidades dos funcionários, expectativas do cliente e incerteza econômica.

O Dr. Klaus Leopold é cientista da computação e pioneiro do kanban com muitos anos de experiência em ajudar organizações de diferentes setores. Ele resume o business agility em uma frase:

“Business Agility é a capacidade de uma organização se adaptar rapidamente às mudanças nas condições do mercado”.

Por qual área o Business Agility deve começar?

A resposta ideal seria todas, mas sabemos que essa é uma situação utópica. Antes de focar em quais áreas ele deve ser utilizado, é essencial que todos os líderes entendam o que é business agility e a sua importância. Não que a ferramenta seja sempre no formato da alta liderança para o operacional, pelo contrário, mas iremos falar sobre isso mais a frente.

A capacitação da liderança traz um peso no que diz respeito ao engajamento dos demais colaboradores. Ter eles como porta voz dessa mudança, é o primeiro passo para que o business agility seja aplicado de forma correta. E também pelo simples fato de que a liderança não comprar a ideia, será muito difícil o restante da empresa abraçar a ideia.

Os líderes entendendo a ideia, cada setor pode começar a implementar o conceito dentro da área. Porém, a transformação deve ser orgânica e envolver todos — como já mencionado — Recursos Humanos, Finanças, Compras, RelGov e etc.

Algumas características dos profissionais para aplicar o business agility são:

Foco no cliente: adaptar seus serviços e produtos às demandas dos consumidores, pois estão ansiosas por reestruturar recursos e sistemas operacionais para se adaptar às necessidades do cliente.

Reforçar a dinâmica de equipe: enfatizar a construção de equipes bem coordenadas que respondem coletivamente a crises e mudanças. Promovendo clareza na divisão de tarefas, responsabilidades, criando sistemas e processos internos estáveis.

Nutrir uma mentalidade construtiva: recebem bem o fracasso como parte da aprendizagem e não o rotulam como um obstáculo ao seu progresso.

O crescimento do Business Agility nas empresas traz benefícios para o negócio

Conheça os principais benefícios ao aplicar a cultura ágil na organização:

  • Entrega contínua de valor;
  • Apuração constante de feedbacks;
  • Envolvimento com o cliente;
  • Fácil adaptação a mudanças;
  • Simplicidade na execução das tarefas.

Benefícios de curto prazo:

  • Os profissionais responsáveis são notificados de novas tarefas e têm uma visão centralizada de todas as atribuições atuais e futuras para gerenciar seu trabalho;
  • As tarefas são distribuídas de forma consciente e apropriada em toda a organização;
  • Tarefas redundantes podem ser facilmente identificadas e automatizadas;
  • Atividades não concluídas podem ser acompanhadas em tempo hábil;
  • Os gestores podem ter uma visão geral das atividades de trabalho em sua equipe, possibilitando melhor visibilidade.

Benefícios de longo prazo:

  • Mitigação de riscos;
  • Cultura de responsabilidade e transparência;
  • Alocação eficaz de recursos;
  • Flexibilidade no processo.

Através das novas tecnologias como Internet das Coisas, Big Data, Inteligência Artificial, Analytics, Machine Learning é possível aprimorar cada vez mais o conceito de agilidade e flexibilidade.

Conforme citado acima, o business agility é uma ferramenta muito democrática. Nem sempre a melhor ideia virá da alta liderança, isso porque o conceito carrega uma característica de aceitar a melhor decisão.

E nada mais justo ouvir quem está na ponta do processo para tomar a melhor decisão. A conversa deve ser sempre na horizontal — respeitando sempre a cultura da empresa — com a intenção de chegar na melhor resolução.

Acima de tudo, business agility é uma forma de tornar contínuo e vasto o processo de aprendizagem sobre a atuação da companhia, para manter o DNA de inovação que está na origem de cada uma.

Apesar do seu crescimento, o conceito ainda não é unanimidade no Brasil, a resposta para isso pode ser a brusca mudança que business agility carrega consigo. O tempo também é um fator que joga contra em algumas empresas e a instabilidade econômica — esse motivo também serve para aplicar o business agility — ainda é um entrave para gestores que se encontram no modelo tradicional.

Para mudar esse cenário é preciso conhecer a fundo o público alvo para oferecer a melhor experiência, ainda que a organização seja de produtos.

Não vamos terminar sem deixar a última dica para você se tornar um especialista em business agility.

Faça parte do evento Imersão em Business Agility! Acesse o nosso site e acompanhe todas as novidades. Clique aqui para maiores informações e até breve!

Autor

Ana Paula Rocha

Formada em jornalismo pela PUC-SP e pós-graduada em Mídias Digitais pelo Senac, Ana Paula Rocha tem mais de 10 anos de experiência com reportagens especializadas e para a internet. Atualmente, é gerente de conteúdo na Blueprintt, à frente das áreas de Serviços Financeiros, Finanças Corporativas e Serviços de RH.

IMERSÃO EM Business Agility
Condições especiais por tempo limitado. Apenas 35 vagas disponíveis