Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Como as empresas devem se preparar para as negociações coletivas de trabalho
A Reforma Trabalhista trouxe muita instabilidade e incertezas. Mas reunimos dicas da Embraer, Latam e Tefefônica para o RH se preparar em três fases.

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

Apesar da alta expectativa após a Reforma Trabalhista e com a Medida Provisória 808/2017, o cenário atual é de muita instabilidade e incertezas, o que deixa muitas empresas no escuro sobre como conduzir as negociações coletivas de trabalho.

Diante de tanta nebulosidade, as relações entre empresas e sindicatos tornaram-se ainda mais tensas.

A contribuição sindical obrigatória, por exemplo, caiu, o que ajudou a complicar o debate entre as partes, uma vez que os sindicatos estão menos propensos e abertos a aceitar propostas. Isso torna as negociações morosas e difíceis.

Nesse contexto, quais são as melhores práticas e como as instituições podem fazer para garantir o sucesso de negociações futuras?

Continue lendo e saiba mais sobre o tema.

Uma tendência mundial

A Reforma Trabalhista como estamos observando não é exclusividade do Brasil e já se manifestou em diversos países em diferentes momentos.

Nilton dos Anjos, gerente jurídico da Embraer, acredita que, no país “a espinha dorsal dessa mudança é a prevalência do negociado sobre o legislado para que se possa ter maior liberdade e construir as condições de trabalho que atendam melhor cada categoria”.

Ele, inclusive, ressalta a importância da flexibilidade e transformações como essa para driblar crises e a alta dos índices de desemprego.

Em suma, dos Anjos acredita que a reforma é importante e que as empresas devem facilitar a evolução dessa mudança para que as negociações ganhem mais robustez e estejam mais alinhadas com a modernidade – se afastando de um modelo anterior, considerado retrógrado.

Daniella Janoni, consultora para relações do trabalho na Latam, também contribui para o debate reforçando que não existe uma regra ou “receita de bolo” de como as empresas vão se comportar diante de negociações coletivas de trabalho.

Tudo vai depender muito do momento e da cultura organizacional, além de considerar todo o panorama de fragilidade política, jurídica e econômica.

No entanto, separamos 3 momentos para a sua empresa se preparar para as negociações coletivas de trabalho.

Antes das negociações coletivas de trabalho

De acordo com os especialistas, antes de iniciar a negociação, a empresa deve ter 6 pontos essenciais em mente:

  1. Tenha ciência da importância do processo

É crucial valorizar a importância das negociações coletivas de trabalho. Daniella relembra que elas são “fundamentais para manter a sustentabilidade do negócio, a competitividade e um clima favorável no ambiente de trabalho”.

  1. Foque em planejamento e estratégia

Antes de tudo, deve-se ter clareza de onde a empresa quer chegar com uma negociação. Logo, é preciso ter metas, objetivos e estabelecer as ações que vão viabilizar o alcance de tais ações.

Saiba também inovar e ser criativo, pensando em novas formas de negociação. Nessa etapa, realize uma série de análises para guiar o planejamento, como:

  • Viabilidade de c ada meta;
  • Habilidades da empresa;
  • Presença ou não de um intermediário judiciário;
  • Desejos e intenções – vou combater o sindicado ou buscar o equilíbrio, evitando, assim, brigas e paralisações?
  1. Sistematize a negociação

Nesse estágio, desenhe cada passo das negociações e coloque todas as ideias no papel. Alinhe os objetivos gerais com cenários internos e externos e estabeleça prioridades.

  1. Invista em uma equipe multidisciplinar

São vários os stakeholders dentro de uma empresa que devem contribuir e participar de um processo de negociação, tornando-a mais rica e multidisciplinar.

O setor de comunicação, por exemplo, tem uma função relevante para comunicar as decisões das equipes. Já o RH e a gestão concentram a tarefa de inspecionar o clima organizacional. O financeiro também tem muito a agregar na discussão.

  1. Conte com os líderes

O líder precisa estar envolvido no processo e sua presença faz toda a diferença para facilitar – ou prejudicar – negociações. Para delinear um caminho favorável para boas negociações a liderança deve:

  • Monitorar o clima organizacional;
  • Ser o exemplo;
  • Saber lidar com conflitos;
  • Ter habilidade para encarar mudanças;
  • Engajar a equipe;
  • Ter coerência nas atitudes.
  1. Saiba lidar com imprevistos

Por fim, a empresa precisa estar preparada para o insucesso de uma negociação. Diante desta situação, tenha um plano de contingência e mapeie todas as ações necessárias para enfrentar possíveis greves e paralisações que podem afetar a imagem e as operações da corporação.

Durante as negociações coletivas de trabalho

Para otimizar o processo, a consultora para relações do trabalho na Latam recomenda os seguintes passos:

  1. Defina os atos formais

Determine quem serão os participantes: quem fará parte da bancada patronal, quem serão os representantes, porta-vozes, observadores e responsáveis pelas anotações, entre outros.

  1. Estabeleça um cronograma

Crie um cronograma de reuniões com os sindicatos. Isso faz com que o deadline da negociação seja cumprido.

  1. Fique atento às atas de reunião

As atas devem retratar fielmente tudo que está sendo convencionado ao longo das reuniões e todas as propostas que forem colocadas em mesa. Elas servem, posteriormente, como base para um dissídio coletivo.

  1. Alinhe a comunicação

A cada rodada de negociação, garanta a comunicação interna das decisões com os empregados para que o conhecimento não fique somente nas mãos dos sindicatos. Daniella aconselha deixar rascunhos do comunicado oficial prontos para agilizar as aprovações.

Alem disso, é importante combinar com os sindicatos o que será abordado nos comunicados ou não, afim de não levantar uma “guerra de comunicação”, que pode tencionar ainda mais a base ou frustrar expectativas.

Depois das negociações coletivas de trabalho

Uma vez firmado um acordo, é indicado tomar algumas atitudes.

  1. Formalize e redija o acordo

Retrate de forma íntegra e honesta tudo o que foi negociado. É vital manter uma linguagem clara, sem dualidades ou margem para brechas e interpretações.

  1. Monitore o cumprimento da negociação

Essa conduta evita conflitos e problemas judiciais e sindicais.

  1. Faça um registro das lições aprendidas

Em um momento de reflexão, pense se os caminhos tomados nas negociações foram os mais corretos. Para a consultora para relações do trabalho na Latam, não existe uma regra. Portanto, registrar o que foi feito é a melhor maneira de entender o que deu certo e fazer ajustes no futuro.

Por fim, Luiz Xavier, diretor de Relações do Trabalho na Tefefônica, aponta que a Reforma Trabalhista não é somente uma oportunidade para que uma empresa se beneficie e reduza custos.

“Esse pensamento não é sustentável. É preciso ter em mente o ‘ganha a ganha’ ou melhor, o ‘perde e perde’ nas negociações coletivas de trabalho, uma vez que, para o sucesso, cada parte tem que estar disposta a ceder um pouco”, afirma.

Ademais, sobre a questão do sindicado, ele sublinha que a melhor forma de negociar mudanças ainda é por meio dessa entidade.

“O sindicato existe, pois é inviável – e improdutivo – para uma empresa negociar com cada indivíduo. Logo, brigar com o sindicato é prejudicar o dia a dia das pessoas que trabalham ao seu lado. Por isso, é importante priorizar sempre o meio-termo”, finaliza.

Gostou do artigo?

Então, aproveite o momento e compartilhe essas informações nas suas redes sociais para seus colegas e parceiros!

Autor

Renan Oliveira

Jornalista com experiência de treze anos em comunicação e atuação em segmentos como economia, indústria, ciência, tecnologia, turismo, esporte, cultura, gastronomia e terceiro setor.