Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Por que você deve tratar sua carreira como um modelo de negócio pessoal
Com algumas dicas simples, é possível saber o modo como cada um aplica suas habilidades para crescer pessoal e profissionalmente.

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

Já imaginou se as pessoas tratassem suas carreiras como um modelo de negócio pessoal?

Sim, isso mesmo, da mesma forma como um empreendedor precisa montar um grande planejamento para seu negócio, o indivíduo olha para a sua profissão como uma empresa que precisa de crescimento.

Essa é a ideia de Tim Clark, palestrante no campo do empreendedorismo, no livro Business Model You: O Modelo de Negócios Pessoal.

A publicação é inspirada em outras propostas, como a do “Business Model Generation – Inovação em Modelos de Negócios”, de Alexander Osterwalder e Yves Pigneur, e contou com a colaboração de mais 328 profissionais de diversos países – inclusive Osterwalder e Pigneur.

A perspectiva de Clark é guiada por sua experiência na fundação e venda de uma consultoria de pesquisa de marketing, que já atendeu a firmas como Amazon.com, General Motors e PropleSoft.

Também é doutor em Business pela Universidade de Hitotsubashi e professor na Universidade de Tsukuba, ambas em Tóquio, no Japão. É coautor do best-seller mundial Business Model Generation – Inovação em Modelos de Negócios.

O livro propõe um método de uma página para reinventar sua carreira, que ensina maneiras simples e poderosas para definir e recriar um modelo de negócio pessoal.

Confira, a seguir, mais sobre a ideia da publicação

Carreira como um Modelo de Negócio Pessoal

Lançado no Brasil pela Editora Alta Books, o Business Model You (BMY) tem como objetivo auxiliar as pessoas a pensarem em suas vidas por meio de um método prático e fácil de planejamento para descrever, analisar e reinventar qualquer carreira.

O livro é recheado de ilustrações, exemplos reais e atividades reflexivas, o que facilita bastante o entendimento tornando-o bem didático.

Dividido em 10 capítulos, o livro mostra como o novo modelo de negócio pessoal tenta promover reflexões de autoconhecimento, busca auxiliar no propósito de carreira, permite que o leitor trace suas habilidades e tendências profissionais.

O leitor é impactado com uma gama de atividades que o auxiliarão a descobrir possibilidades sobre sua profissão.

Dessa forma, o livro funciona como uma ferramenta prática, ajudando a definir e modificar o modelo de negócios pessoal, ou seja, o modo como cada um aplica suas habilidades para crescer pessoal e profissionalmente.

Depois de compreendido o método, o leitor poderá modificar seu modelo pessoal sempre que necessário.

O livro do BMY segue basicamente o quadro original do BMG, sendo autoaplicável, ou seja, através da leitura e acompanhamento dos exemplos, fica fácil fazer o seu quadro, a estruturação é feita através de componentes, dispostos em quadrantes, a serem preenchidos com post-it.

Separamos cada um deles a seguir. 

Atividades-chave

São nada mais do que as atividades físicas ou mentais realizadas para os clientes. Quais são as tarefas que você faz normalmente no trabalho?

Aqui você não deve pensar em termos de valor do resultado final dessas tarefas. Está ligado de certa forma a “quem você é”, abaixo.

Recursos-chave

“Quem você é” abrange interesses, talentos, habilidades e sua personalidade. Já “O que você tem” são seus ativos, que vão desde sua experiência e contatos até coisas mais

Parceiros-chave

São as pessoas que o apoiam como profissional e contribuem para o seu crescimento de maneira positiva.

Podem ser mentores e conselheiros, colegas da sua network, até família e amigos, contanto que tragam oportunidades ou recursos para seu crescimento e atuação.

Proposta de Valor

Este é um conceito chave do livro Modelo de Negócio Pessoal. Você pode começar se perguntando “por que o cliente me contrata? Qual o tipo de benefício os clientes ganham com o resultado do que eu faço?”.

Aqui sim você pensa no valor do resultado do que você realiza no “O que você faz”.

Saber relacionar bem o que você faz com o valor que isso traz aos clientes, é o grande passo para seu modelo de negócios pessoal.

Canais de comunicação

Como os clientes potenciais ficam sabendo da sua existência e do valor que você entrega?

Como eles podem adquirir os seus produtos ou serviços, a solução para os problemas deles?

Como você verifica a satisfação dos clientes?

Relacionamento com clientes

Aqui você deve gastar um tempo com carinho e calma para responder a si mesmo: “Quais são as pessoas, ou grupos de pessoas (comunidades) que dependem do resultado ou ajuda do meu trabalho?”. Eles são seus clientes.

Tenha em mente que clientes em potencial são aqueles dispostos a pagar pelo que você entrega.

Você pode ser um profissional liberal, como um médico, estando claro que seus clientes são seus pacientes.

Mas se você trabalhar para uma organização, seu chefe, seu supervisor, também devem ser vistos como seus “clientes”, pois não deixam de ser responsáveis por sua remuneração.

Pensar em cliente aqui é pensar em certa forma a quem você se reporta. Você “serve” a quem? Quem se beneficia do seu trabalho?

Colegas de trabalho, por exemplo, podem não pagar seu salário, mas se gostam da forma como você executa suas tarefas e são beneficiados por elas indiretamente, chances são que o futuro do seu “modelo de negócios pessoal” seja muito mais promissor.

Custos

No livro sobre o Modelo de Negócio Pessoal, são considerados “gastos” aqueles que você tem com o seu trabalho, que são tangíveis e intangíveis. Como exemplos tangíveis, podemos citar:

  • Necessidade de veículo próprio ou deslocamento;
  • Taxas de treinamentos ou assinaturas de serviços;
  • Ferramentas e vestuário especial, se for o caso;
  • Despesas com telefone, viagens etc.

Já como intangíveis estão:

  • O estresse de estar longe da família ou pessoas que gosta;
  • Insatisfação por trabalhar com certos parceiros;
  • Dor de cabeça com fornecedores etc.

O que lhe desgastar financeiramente, como em tempo e energia, deve ser pensado. Por isso, é “o que você dá” de si para o seu negócio pessoal dar certo.

Fontes de Receita

São os benefícios tangíveis e intangíveis. Tudo o que você ganha deve ser levado em conta, não pense apenas em valor financeiro.

Como tangíveis e mais fáceis de lembrar:

  • Salário;
  • Plano de saúde;
  • Pagamentos de cursos ou treinos;
  • Auxílios diversos etc.

Nos intangíveis, apesar de comum para muitos, é também um pouco pessoal. Vejamos alguns:

  • Status;
  • Reconhecimento social;
  • Reconhecimento profissional;
  • Satisfação pessoal;
  • Contribuição com a sociedade etc.

Gostou da ideia do livro sobre a criação de um modelo de negócio pessoal?

Aliás, se você está focado em ter um crescimento na sua carreira no próximo ano, a leitura é algo fundamental.

Recentemente, conversamos com um especialista de RH sobre como a leitura de livros pode te diferenciar em uma entrevista de emprego.

Mas não é só isso. Segundo ele, o hábito de ler é fundamental não só na contratação, como também na evolução dos profissionais nas empresas.

Pensando nisso, a Blueprintt lançou no ano passado o Blueprintt Box, clube de livros por assinatura da área de gestão e liderança, que tem o intuito de incentivar e acelerar o hábito da leitura na sua vida profissional.

Com ele, você recebe um livro selecionado por mês e um plano de leitura que propõe usar apenas 25 minutos do seu dia.

Isso mesmo, com menos de meia hora por dia você completará a leitura de um livro importante para o seu desenvolvimento profissional em um mês, adquirindo novos conhecimentos.

Que tal começar esse desafio?

Quero conquistar o sucesso com os livros do Blueprintt Box. 

Autor

Jessica Moraes

Jessica é formada em Jornalismo e Pós Graduada em Marketing Digital, escreve sobre Negócios, Tecnologia, Inbound Marketing, Moda e Empreendedorismo.