Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Jornada de trabalho flexível na indústria é possível. Saiba como
Falar de flexibilidade em um cenário fabril e de manufatura ainda é uma novidade, com muitas barreiras para o mindset das pessoas. Mas é possível.

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

Qual profissional que não gostaria de passar mais tempo em casa, evitar transportes cheios e ter mais autonomia em seus horários? Foi pensando justamente nisso que o Grupo Continental, um dos cinco maiores distribuidores de peças automotivas no mundo, formulou e se tornou uma referência na prática de trabalho flexível na indústria. 

Durante uma palestra na 2º edição da Conferência Home Office 360º, a fundadora desse projeto e diretora de RH do grupo, Ana Cláudia Ramos de Oliveira, contou um pouco sobre como foi o processo de implementação desse sistema na Continental e quais os benefícios que ele traz para seus colaboradores. 

Para conhecer melhor esse case de sucesso e se inspirar para implementá-lo em sua empresa, continue a leitura e tome nota das principais dicas. Podemos começar? 

Afinal, por que debater sobre trabalho flexível na indústria? 

Atualmente, já não é mais nenhuma novidade falar sobre trabalho home office ou encontrar profissionais autônomos com horários bem mais flexíveis. No entanto, como a própria Ana Cláudia cita em sua palestra, quando se traz essa realidade para um cenário fabril e de manufatura, ainda se trata sim de uma novidade e, até mesmo, com muitas barreiras para o mindset das pessoas. 

Por outro lado, ainda que haja um “preconceito” sobre como funciona um sistema de trabalho flexível na indústria, pesquisas em 2016 já apontavam que mais de 43% dos colaboradores das empresas consideravam a ideia de deixar suas organizações, caso seus gestores não proporcionassem a devida flexibilidade em seus trabalhos. 

Com isso, tanto o Grupo Continental quanto outras empresas no mundo todo perceberam a necessidade de permitir uma rotina mais flexível aos seus colaboradores, garantindo mais autonomia na gestão de tempo, liberdade em determinadas escolhas, qualidade de vida, satisfação e reconhecimento do trabalho perante a organização. 

No caso do Grupo Continental, como surgiu esse projeto? 

O sistema de trabalho flexível na indústria da Continental teve início no ano de 2016 em nível global. Além dos fatores que destacamos no tópico anterior, a organização percebeu a mudança nos perfis dos colaboradores e os anseios de uma nova geração, que tem uma visão muito distinta do profissional convencional.  

Uma das principais características desse novo perfil está justamente ligada ao que chamamos de work-life balance, ou, em português balanço entre vida pessoal e profissional. Visando ampliar o nível de engajamento, reduzir o turnover e garantir mais atratividade aos novos talentos, o Grupo Continental deu início ao seu projeto de flexibilidade e teve forte apoio e patrocínio da alta gestão da empresa. 

Além disso, Ana Cláudia conta que o próprio board da companhia, na Alemanha, decidiu que esse deveria ser o caminho tomado por todo o grupo, como uma forma de transformação dos valores da empresa, e que isso deveria ser amplamente divulgado e implementado pelas lideranças locais. 

Por fim, Ana Cláudia destaca que os pilares que a empresa consolidou para esse processo de transformação foram fundamentais para as ideias começarem a ganhar forma. São eles: 

  • diversidade

  • liderança; 

  • processo de aprendizado (learning); 

  • flexibilidade. 

Na prática, como é o projeto de flexibilidade implementado na Continental? 

Segundo Ana Cláudia, apesar de a companhia ter pouco espaço para a implementação prática do projeto, o valor pela conquista da atratividade dos colaboradores foi o foco principal nessa jornada. 

Após uma série de estudos e planejamentos, o Grupo Continental definiu que o programa deveria ser dividido em três modalidades principais: home office, jornada flexível e período sabático. 

Para conhecer um pouco mais sobre elas, Ana Cláudia resume cada uma da seguinte forma:

Home Office

Permite ao colaborador uma flexibilidade em relação à rotina, podendo optar por trabalhar em sua própria casa ou em qualquer outro ambiente fora da empresa de sua preferência durante alguns dias da semana.

Esse modelo de home office pode ser considerado algo inovador na indústria, pois visa proporcionar mais qualidade de vida ao funcionário, reduzir seu tempo de locomoção até seu posto oficial e gerar mais autonomia no profissional. 

Por outro lado, o modelo de trabalho flexível na indústria não limita os seus benefícios e vantagens apenas aos colaboradores e se estende também à própria empresa. Afinal, é visível a redução de custos com aquele profissional no dia a dia, além de impactar diretamente na gestão de performance, com melhorias reais no engajamento do funcionário, no clima organizacional e na produtividade de suas atividades. 

Jornada flexível 

Nessa modalidade de trabalho flexível na indústria, o colaborador tem a opção de realizar suas atividades de forma remota e ser remunerado conforme a sua carga horária, garantindo mais autonomia em relação ao seu tempo e aos seus ganhos mensais. 

Isso também visou flexibilizar para aqueles que queriam se dedicar mais às suas famílias, investir em projetos pessoais ou ter mais tempo disponível para aquilo que consideram importante.

Da mesma forma que no modelo anterior, a empresa garante custos menores e fortalece a relação de sua marca com os profissionais optantes pelo programa. 

Período sabático 

Essa modalidade de trabalho flexível na indústria garante a liberdade do colaborador de realizar um projeto pessoal ou profissional que considere importante, mas que nunca seria possível em uma rotina convencional. 

O Grupo Continental concede até um ano inteiro ao colaborador que deseja realizar um sonho ou projeto de seu interesse, como uma viagem longa, um período de intercâmbio, um curso no exterior, um voluntariado etc.

Nesse período, o vínculo com a empresa continua ativo e é possível retomar as atividades profissionais na mesma posição normalmente. 

Para todas as modalidades de seu sistema de trabalho flexível na indústria, o Grupo Continental sempre contou com o apoio e a aprovação dos board members da companhia, montou equipes multidisciplinares para desenvolver regras e definir a elegibilidade dos participantes, trabalhou a comunicação, promoveu treinamentos e workshops, forneceu kits e ferramentas para o home office e aplicou pesquisas de satisfação entre seus colaboradores. 

Hoje, sem dúvidas, o trabalho flexível na indústria da Continental e em muitas outras empresas já é uma realidade e representa uma transformação importante para o mercado, prezando cada vez mais por um equilíbrio sadio entre a vida pessoal e profissional e gerando resultados incalculáveis para as organizações. 

Já tinha pensando na possibilidade de uma jornada de trabalho flexível na indústria? O que acha dessa ideia? Conheça os modelos de teletrabalho e flexibilização da jornada de trabalho utilizados em grandes empresas de diversos setores e perfis no Congresso Home Office 360º:

Autor

Ana Paula Rocha

Formada em jornalismo pela PUC-SP e pós-graduada em Mídias Digitais pelo Senac, Ana Paula Rocha tem mais de 10 anos de experiência com reportagens especializadas e para a internet. Atualmente, é gerente de conteúdo na Blueprintt, à frente das áreas de Serviços Financeiros, Finanças Corporativas e Serviços de RH.