Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Caminhos para alcançar o crescimento em Supply Chain
Inovação, tecnologia e sustentabilidade: como integrar os três pilares de forma estratégica para o crescimento em Supply Chain

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

Com o advento da tecnologia, as empresas conseguem aproveitar na sua produção e distribuição muitas oportunidades de inovação e crescimento em supply chain. No entanto, as facilidades encontradas no processo podem encontrar alguns obstáculos ou pressões externas, como meio ambiente e segurança.

Em um contexto de pandemia, os desafios habituais se intensificam com as novas necessidades de adaptações. Praticamente da noite para o dia, os profissionais se viram diante de circunstâncias inimagináveis. Apesar disso, o cenário acaba sendo propício para redescobertas. É a oportunidade para trazer novos olhares para as cadeias com mais dinamismo.

A busca quase diária por alternativas permite a construção de novas soluções e, consequentemente, o crescimento em supply chain. Tratar dessas mudanças sem perder o foco da inovação, tecnologia e sustentabilidade é objetivo das grandes empresas.

Jornada de transformação digital

Uma das mudanças mais evidentes que só se intensifica com o passar do tempo e acontecimentos é sobre a revolução que a sociedade vive em um mundo online. Novos negócios ou linhas de produção são criados ou se desenvolvem com ajuda da tecnologia.

Cada vez mais, a ciência dos dados mostra que o universo de informações que nos rodeia precisa trabalhar ao nosso favor. Com isso em mente, é possível aumentar a capacidade de extrair informações relevantes que estão à disposição e melhorar as previsões. Enfim, coordenar todas as estratégias e ações de desempenho para o crescimento em supply chain.

A análise de dados e aplicação de modelos de aprendizado de máquina, como Machine Learning ou Deep Learning, afetarão algumas áreas da cadeia de suprimentos, entre elas previsão de demanda, preços preditivos e manutenção preditiva.

Tudo isso remete à necessidade de integração e aplicabilidade de tecnologias, como Blockchain, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Ou seja, ter em mãos mecanismos que possibilitam uma forma de produção mais eficiente e inteligente, maximizando a lucratividade, reduzindo os custos e tempo de fabricação. Em poucas palavras, otimização.

Inovação e processos mais colaborativos

Falando em eficiência no compartilhamento e tratamento de dados, não tem como deixar de abordar os esforços colaborativos. Um conjunto de relações comerciais e financeiras que estabeleçam um fluxo de troca entre fornecedores e clientes pode melhorar a relação de confiança e criar estabilidade nas operações.

O foco implica diretamente no planejamento e organização para tratamento de ineficiências sem deixar a inovação de lado. Mais uma vez poderá ser observado um compartilhamento mais eficiente das informações entre todas as partes envolvidas. O diferencial é uma entrega no lugar e momento certo, logo tendo as demandas atendidas com visibilidade e flexibilidade. Portanto, conquistando o tão esperado crescimento em supply chain.

Sustentabilidade e o crescimento em supply chain

A inovação e os processos colaborativos também encontram possibilidades nos projetos de sustentabilidade. O conceito do termo abrange muito além do que meio ambiente ou agentes protetores da natureza.

Tendo como premissa o reaproveitamento do que produzimos, a ideia permeia todos as áreas da empresa, seja em relação aos processos internos ou externos. Nesse quesito, as ações traduzem a competitividade, ao mesmo tempo em que ditam o crescimento em supply chain.

O DNA da empresa é decifrado pelo nível de consciência e maturidade dos discursos. Ou seja, o quanto as abordagens representam uma preocupação real e um objetivo genuíno. Investir em estratégias sustentáveis como forma de alavancar a reputação da marca implica no desafio de engajamento dos colaboradores.

O apelo pela sustentabilidade pode vir pela pressão popular ou cobrança dos acionistas. Independentemente, também é uma resposta da sociedade pelo consumo consciente. A crise do coronavírus reforça essas necessidades à medida que muda os hábitos de compra da população. Todas as adaptações acabam influenciando as novas concepções de vida e trazem reflexões sobre as rotinas de trabalho ou pessoal no que passará a ser reconhecido como “novo normal”.

Diversidade e inclusão

Sob o guarda-chuva da sustentabilidade, outro assunto que passa a ser estratégico nas empresas é a diversidade. As companhias que investem nesse aspecto acabam projetando uma imagem pública de maior compromisso com valores, como responsabilidade social e igualdade de oportunidades. Quesitos valorizados pelos jovens talentos.

As corporações mais diversas também acabam estimulando mais trocas de conhecimento, encorajam o desenvolvimento de habilidades e valorizam a criatividade. Dessa forma, existe mais espaço para a experiência em um ambiente mais acolhedor.

Novos talentos no mercado de trabalho

Acompanhado todas essas tendências, as empresas conseguem se preparar para atender as demandas e ter respostas mais claras para os períodos de incerteza, além de poder reafirmar os seus valores, sendo eles mais consistentes ou consolidados. O que realmente podem representar os seus diferenciais.

Os consumidores e profissionais acabam sendo motivados por essa sinergia de ideias e comportamentos. Diante disso, os novos talentos são atraídos por um ecossistema orgânico de inovação e criatividade. Com isso, o crescimento em supply chain acaba sendo apenas uma consequência de todas ações.

Quer discutir mais sobre o assunto com líderes das principais empresas do país? Inscreva-se na nossa newsletter e fique por dentro dos próximos eventos na área e de todos os nossos conteúdos!

Autor

Letícia Chiantia

Formada em jornalismo pela Universidade Metodista, tem experiência em revisão, redes sociais e assessoria de imprensa. Escreve sobre tecnologia, negócios, produtividade, cultura e entretenimento. Atualmente, é analista de pesquisa e conteúdo da Blueprintt.