Gestão de ferramentaria auxilia na prevenção dos equipamentos

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Reduzir paralisações na produção é primordial para planejamento diário da operação, no entanto, é bem frequente essas pausas acontecerem por diversos problemas, dos mais graves até os mais simples. Mas o que isso impacta no final do dia, da semana e do mês?

Em algumas fábricas as interrupções chegam até ser um padrão, rolando um certo conformismo até que a máquina volte a rodar. Como se a pausa fosse necessária para não acontecer um problema maior.

Com a gestão de ferramentaria esse “processo” é inexistente, pois o método de trabalho é baseado na prevenção e segurança, com intuito de reduzir gastos e aumentar a produtividade.

A fim de explicar melhor o conceito de gestão de ferramentaria, a Blueprintt convidou Alexander Francisco, Gerente de Manutenção e Wharley Silva, Gerente de Melhoria Contínua da Tower International para debater sobre o tema de prevenção e segurança na utilização das ferramentas.

Durante a palestra um dos temas abordados foi a aplicação de técnicas de melhoria contínua na sistemática da gestão do departamento de ferramentaria, com o foco nas ferramentas transfer, progressiva, tanden e automação.

“Nosso time multifuncional está envolvido desde a presidência da empresa, segurança do trabalho, ferramentaria, compras, recursos humanos, nossos fornecedores, a parte financeira e qualidade. Muito importante a produção, que é a mais beneficiada com o aumento de disponibilidade”, diz Wharley na sua fala inicial.

Interessante notar na fala de Wharley a participação de diversas áreas no processo, esse movimento é importante, pois envolve vários fatores que as demais áreas podem ajudar a promover a cultura de prevenção dentro da empresa.

Desafios da gestão de ferramentaria no mundo conectado

Não basta entregar uma peça, um produto ou serviço bem feito, é preciso que a entrega esteja condizente com a expectativa dos clientes. Hoje a principal demanda são sobre produtos tecnológicos que tenham interações com a máquina, no caso da Tower, os carros.

Alguns impactos são as constantes atualizações, gestão de ciclo de vida, desenvolvimento e segurança de software para fornecedores e parceiros, uso racional de recursos na produção e comercialização de descarte e reutilização.

Acontece que uma nova engenharia de materiais surge cada vez mais forte, e ter o cuidado e utilizar com responsabilidade é um dos desafios da gestão de manutenção.

Wharley trouxe outros desafios que Tower enfrenta na produção:

  • Modificação ferramental;
  • Produtos compartilhados;
  • Aplicação de software de engenharia de simulação e compensação;
  • Reaproveitamento de ciclo de vida útil das ferramentas;
  • Novos tipos de aços;
  • Exigência global para as peças.

Hoje a Tower tem 789 processos de ferramentaria sendo que 80% são processos automatizados, de acordo com Wharley. Analisando os desafios e vendo o alto número de automatização dos processos é nítido qual o caminho as indústrias que buscam evolução na manutenção e ferramentas precisam seguir.

“Tornar nosso sistema cada vez mais colaborativo com a expansão horizontal, ele (processo) está muito focado dentro das áreas de manutenção de ferramentas e a manutenção industrial. Eles entendem muito bem essa linguagem (tecnológica), essa dinâmica, esse sistema. Então tá na hora de abraçar mais o pessoal da produção”, finaliza Wharley.

Para Alexander, a manutenção tem dois desafios principais; as mudanças de lei sobre a utilização de algumas ferramentas e a reavaliação de prensas e equipamentos produtivos no prazo de três anos.

Quem compõe a área técnica é crucial contar com um time multifuncional, envolvendo finanças, RH, qualidade, que irão agregar valor para as atividades.

O Gerente de Manutenção destaca a compreensão e o envolvimento dos times, ajustando a rotina de cada setor.

“A produção foi um desafio enorme conciliar uma adequação com a fábrica trabalhando, PCP também foi uma outra área que a gente negociou muito para realizar as paradas nos finais de semana e nos intervalos”, ressalta Alexander.

Por isso, o alinhamento técnico é necessário para tornar os desafios em oportunidades. O trabalho em conjunto torna a validação mais robusta com menos riscos de gastos. A diferença entre risco e perigo é uma premissa que nada mais é a exposição do risco que as pessoas estão, cada situação deve passar por uma avaliação a fim de evitar algum gap em uma situação delicada.

Diante desse pensamento, a reflexão que fica é: o que pode ser eliminado antes de se tornar um risco? Seja com processo e equipamento. Então revisar as compras, os custos com a nova metodologia de gestão de ferramentaria é fundamental para aumentar a produtividade e diminuir os gastos.

Para ficar por dentro das principais novidades, se inscreva no Programa Executivo de Imersão em Manutenção Industrial. Clique aqui para maiores informações.

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Ao enviar este formulário você está concordando com nossos termos de uso e política de privacidade

Formulário enviado com sucesso

Clique para fechar

Imersão em Manutenção industrial

Condições especiais por tempo limitado. Apenas 35 vagas disponíveis. 

PROGRAma executivo de imersão em MANUTENÇÃO industrial

Gerencie a manutenção industrial de forma inteligente e tecnológica e aumente a confiabilidade no novo normal

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.