Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Conheça as 7 características do PIX, segundo o Banco Central
O PIX - Sistema de Pagamentos Instantâneos - estará disponível para utilização em novembro e nós trouxemos todos os seus detalhes!

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

O PIX (Sistema de Pagamentos Instantâneos) nasceu no contexto da revolução digital, criando uma nova maneira de consumir produtos financeiros e estará disponível para os usuários em 16 de novembro de 2020.

A utilização de smartphones e o acesso à internet tem aumentado de forma considerável no País, além disso, vários meios de pagamentos já se mostraram bem sucedidos, como os boletos e os cartões de crédito e débito. Mas, apesar do sucesso, eles apresentam algumas lacunas e o PIX preencherá parte delas.

O PIX pretende:

  • Facilitar a vida dos pagadores e recebedores;
  • Viabilizar novos modelos de negócios;
  • Reduzir custos;
  • Contribuir para eletronização dos pagamentos e para a inclusão financeira.

Para ajudar a esclarecer o assunto, compilamos abaixo as informações fornecidas pelo João Manoel Pinho de Mello, Diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução (DIORF) do Banco Central do Brasil em sua palestra na 9ª edição do evento Paytech, realizado em setembro de 2020.

Contexto atual e papel do Banco Central

A pandemia ressaltou a importância de meios de pagamentos com redução de contato, como é o caso do NFC (na sigla em inglês, Near Field Communication) e o uso do QR code. Além disso, houve um aumento nas transações de e-commerce, que tem como particularidade principal a ausência de contato físico.

E o PIX será muito relevante neste aspecto, por proporcionar que os pagamentos ocorram de forma eletrônica, além de trazer aumento de liquidez para as empresas neste momento de dificuldades com o capital de giro.

O Banco Central terá basicamente dois papéis fundamentais: de operar as duas plataformas – sistema de pagamentos instantâneos e o diretório de identificadores de contas transacionais; e o papel de regulador – definidor das regras de participação.

Essa plataforma será extremamente barata: a cada 10 transações feitas no PIX custará R$ 0,01 centavo para a instituição financeira na qual encontra-se a conta do recebedor. Para fins de comparação, cada TED hoje custa em média R$ 0,06 podendo chegar até R$ 0,13.

O BC cobra esse valor das instituições recebedoras como forma de recuperação de custos, essa operação não possui fins lucrativos. Para os pagadores pessoa física haverá gratuidade para manter a igualdade de condições de outros meios de pagamento.

Listamos abaixo as 7 principais características do PIX. Continue a leitura e saiba mais!

Velocidade

As transações no PIX são liquidadas rapidamente, 50% delas em até 6 segundos e 99% em até 10 segundos, ou seja, o recebimento é quase que instantâneo. No caso dos cartões, por exemplo, a transação é autorizada rapidamente, mas o recebimento não é automático.

Disponibilidade

A disponibilidade é plena, pois o serviço fica disponível 24 horas por dia e 7 dias por semana, ou seja, qualquer dia e horário que o cliente necessitar. E o recebedor obtém o valor imediatamente, independente de ser feriado, final de semana ou fora do horário comercial.

Multiplicidade

A plataforma irá comportar uma multiplicidade de casos de uso e soluções para diferentes necessidades dos pagadores e recebedores. O mais comum serão as transferências entre pessoas, mas também haverá opções como: pagamentos de pessoa física para pessoa jurídica, no comércio, serviços e outros negócios.

Há um acordo com concessionárias de energia elétrica para que a conta venha com QR code para pagamento pelo PIX. Ou seja, contas que, em geral, vêm com código de barras para pagamento via boleto terão um QR code.

Imagine um usuário que teve sua conta de luz cortada, a compensação de um boleto pode demorar até 2 dias úteis, no PIX a compensação é imediata e o comando para religação pode ser automático.

Conveniência 

Sob a perspectiva do pagador, a plataforma é extremamente conveniente, por proporcionar uma experiência rápida e fácil, com uso de QR code estático ou dinâmico. Existe também a possibilidade de identificação por chave (CPF, CNPJ do recebedor, e-mail, telefone, dentre outros) que já identifica pessoa e conta. O recebedor é notificado, em até 6 segundos, sobre o recebimento de um PIX.

A inserção de dados na plataforma pode ser manual (igual quando se faz uma operação de TED) ou com uso da identificação por chave. O QR code estático contém um conjunto fixo de informações, já o QR code dinâmico é gerado a cada transação e os valores podem ser personalizados.

Há uma grande vantagem na utilização por parte dos estabelecimentos comerciais, pois facilita o pagamento e reduz o custo com dinheiro (segurança). Além disso, no primeiro semestre de 2021 irão disponibilizar o saque PIX com a possibilidade de saques em espécie em estabelecimentos comerciais.

Informações agregadas 

O PIX e sua plataforma de liquidação não contém apenas a liquidação financeira da transação, mas também a transacional. Não só o dinheiro se movimenta em até 6 segundos, como também a informação de quem efetuou o pagamento. Por exemplo, no caso de uma fatura de energia, não só o recurso cai na conta como também a informação de que aquele cliente pagou chega para a empresa.

Segurança 

A autenticação dos usuários é extremamente segura, a plataforma foi construída com base no sistema financeiro nacional que já tem uma larga experiência prévia com o Banco Central. A instantaneidade não gera insegurança, tendo em vista o estabelecimento de limites diários de transações, sempre em linha com os demais sistemas de pagamento.

Quando um sistema é construído do zero, tem pouco legado e se torna mais seguro que os demais e, além do mais, o Brasil é um caso de segurança e eficiência com meios de pagamento.

Ambiente aberto 

O Banco Central lidera esse projeto, no entanto, não irá prestar nenhum serviço diretamente para os consumidores e recebedores. Ele será responsável por prover a plataforma e elaborar o conjunto de regras para participação nesse ecossistema, as empresas usarão essa infraestrutura para oferecer a forma de pagamento aos seus consumidores.

Neste momento, 980 instituições estão em processos de adesão, sendo que em 34 delas o processo é obrigatório – empresas de pagamento ou instituição financeiras com mais de 500 mil contas transacionais. As demais entraram de forma facultativa por verem os benefícios da participação.

Cronograma de funcionalidades 

Conforme mencionamos no início, o PIX estará disponível aos usuários em novembro, porém, não em sua totalidade. Listamos abaixo o cronograma de liberação de suas funcionalidades:

2020 – QR code, chave pix e inserção manual de dados;
2021 – Pagamento por aproximação (NFC- Near Field Communication), QR code para o pagador ser identificado mesmo estando offline, PIX garantido, Saque PIX, PISP no PIX e mecanismo privado de provimento de liquidez;
2022 – Requisição de pagamento e débito automático;
2023 – Pagamento com documento.

Quais são as suas expectativas com relação à utilização desta plataforma? Compartilhe conosco nos comentários!

Autor

Dayane Dechiche

Formada em Relações Públicas pela Universidade Metodista e pós-graduada em Gestão de Comunicação e Marketing pela Universidade de São Paulo. Tem experiência com organização de eventos e produção de conteúdo. Atualmente, é analista de pesquisa e conteúdo da Blueprintt.