Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Conheça o novo centro inteligente para controle de processos logísticos da Monsanto
O trabalho realizado por meio de machine learning já evitou mais de 600 atrasos em três meses. Veja como funciona o centro inteligente de logística.

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

O setor logístico vem passando por uma grande transformação, incorporando tecnologia em seus processos e locais de distribuição. Um dos exemplos é o novo centro inteligente de logística da Monsanto, que vamos falar hoje nesse artigo.

Mas o que é essa tecnologia que o setor vem adotando?

Trata-se de armazenamento de informações na nuvem, plataformas tecnológicas para centralização de serviços, inteligência artificial, automação e internet das coisas, entre outros.

Essas soluções vêm para resolver as problemáticas mais presentes hoje no segmento, que são a diminuição de custos, segurança do transporte, melhor gerenciamento de estoque, gestão integrada e transformação omnichannel, por exemplo.

Mas, antes de pensar na logística como vemos hoje, é necessário voltarmos há muitos anos na história para entender a sua evolução. Isso permite que a gente dê a devida importância ao setor.

Algumas empresas ainda focam seus olhares ao “vender mais”, trabalhando muito mais a área de marketing e os times de vendas.

Mas esquecem que um dos pontos-chave da experiência do consumidor, que é o que o faz voltar a comprar, mora na logística.

Período pós Segunda Guerra Mundial

Este período foi marcado pelo retorno de um comércio com grandes necessidades de engatar uma produção à todo vapor, porém encaixado em um mercado totalmente arcaico e inflexível.

Todos os olhares eram voltados aos grandiosos transportes em massa, sem nenhuma atenção ao consumidor final.

Imagine uma sociedade em que todos os eletrodomésticos eram da mesma cor e modelo e tudo que se conhecia até então sobre tecnologia estava concentrado nas produções e não distribuição.

Além disso, toda a logística da época era controlada manualmente, fazendo com que a comunicação do setor se tornasse morosa e pouco produtiva.

Assim, o único atrativo do mercado era as empresas que entregavam com os menores custos, porém sem priorizar a qualidade, fazendo com que o mercado caminhasse a passos lentos.

Real abertura do mercado

Já na década de 1960, os grandes supermercados, por exemplo, começavam a receber as inovações alimentícias desta nova sociedade. Mais opções, cores, sabores, tamanhos e variedades fizeram com que o mercado aquecesse.

Porém, consequentemente, os custos aumentaram para as empresas de transporte. Fora o fato de que, na década seguinte, isso ainda se agravaria com a crise do petróleo.

Uma das saídas encontradas pelo segmento foi a criação de novas modalidades, como os transportes multimodais e o aproveitamento do boom tecnológico que a época lhes ofereceria.

Não dá para esquecer também que, com toda esta movimentação, também surgia o, hoje já tão comum, código de barras e controle de estoque, mais um grande passo carimbado no segmento logístico.

O boom do e-commerce

Nos anos 2000 pudemos ver o mercado voltar-se à logística, não só como um serviço de transporte, mas sim como uma arma competitiva de negócios.

Isso evoluiu para uma visão Supply Chain Management (Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos), ganhando o posto de geradora de negócios e investimento em parcerias, graças à chegada do e-commerce no Brasil.

A internet na vida das pessoas, não só das empresas, tornou os consumidores muito mais exigentes e deu acesso à personalização de produtos, que podem ser recebidos direto em seus endereços de preferência.

A nova onda de terceirização deste serviço também proporcionou um crescimento absurdo para esta qualidade exigida e, é claro, nos lucros.

Algumas novidades ainda surgiram na época, como a logística reversa e a grande preocupação no pós-venda, não só quanto a qualidade de produtos, mas também do seu transporte.

Hoje, no entanto, a preocupação é como integrar tecnologia aos processos de distribuição e logística. Por isso, a Monsanto deu um passo à frente e criou o Logistics Smart Center, que nada mais é do que um centro inteligente para controle de processos logísticos.

Centro inteligente de logística

Segundo o Líder de Operações Logísticas da Monsanto, Johnny Ivanyi, esta mudança começou além da área de Supply Chain, mas sim em todo Costumer Care da empresa, que, sem dúvida nenhuma, envolveria a forma como eles vinham lidando com a logística.

“Precisávamos ser uma área mais dinâmica, proativa, que não espera o problema acontecer, melhorar prazos, ganhar excelência e tornar o UX dos nossos clientes o centro das atenções” frisa Ivanyi.

A nova plataforma funciona ao estilo Cloud, centralizando todos os serviços e fazendo o gerenciamento da frota, analytics, controle financeiro, acompanhamento das cargas em tempo real, monitoramento por câmeras e até o controle de umidade e temperatura dos centros de distribuição.

A empresa tem suas operações mais concentradas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do país, mas também presente no Sul, Norte e Nordeste.

A novidade está rodando há cinco meses, por enquanto, apenas na cidade de São José dos Campos, no interior de São Paulo. Ela foi construída internamente e levou 100 meses para ficar pronta.

Porém, a Monsanto já tem estuda replicar a iniciativa para cidades como Camaçari, na Bahia, Campo Verde, no Mato Grosso, e Uberlândia, em Minas Gerais.

Resultados na Monsanto

Resultante do escalável e eficiente trabalho realizado por meio de machine learning, a empresa já conseguiu evitar mais de 600 atrasos em três meses, um total de 20% de otimização no nível das entregas.

Houve também a redução de 40 toneladas na emissão de CO2, oriundos da diminuição de 500 mil km rodados nas entregas devido a otimização dos roteiros e redução da acuracidade de inventários, entre outras mudanças.

Além disso, também aconteceu uma melhora no SLA quanto ao custo, qualidade de entrega, operação interna e experiência do cliente, já que os índices de NPS subiram.

Um grande ganho também foi a possibilidade de ter um time melhor desenvolvido e focado em todas as otimizações já apresentadas.

Agora, a equipe já está focada no próximo passo que a empresa pretende dar: o lançamento do mesmo conceito de plataforma para a parte de Costumer Service.

Gostou do case da Monsanto?

Ele vai estar presente no Logistics Management Forum, evento da Blueprintt que vai acontecer em 17 e 18 de outubro em São Paulo.

Participe e saiba como inovar e reduzir custos na armazenagem e transporte de produtos.

Comente também o que achou sobre o centro inteligente de logística.

Autor

Barbara Marques

Barbara é graduada em Jornalismo pela FIAM-FAAM, atua profissionalmente há cinco anos, tanto em conteúdo factual, quanto para empresas. É especialista em produções relacionadas à tecnologia, fraude, business e marketing, entre outros. Além de vasto conhecimento em cobertura de eventos, palestras e coletivas.