As tecnologias da Natura e Electrolux para redução de custos na logística

redução de custos na logística
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Muitas empresas vêm adotando tecnologia para facilitar a execução dos processos e alcançar a redução de custos na logística.

Isso porque a logística representa hoje de 6% a 12% das despesas de uma companhia. Porém, nem todas as empresas a entendem como área estratégica – um pré-requisito para aprovação de orçamentos dedicados à inovação e ganhos de performance.

Duas líderes de mercado, a Natura, na área de cosméticos, e a Electrolux, na área de eletrodomésticos, alavancaram seus negócios enquanto a tecnologia exercia poder relativamente moderado.

Agora, na esteira da quarta revolução industrial, as companhias foram desafiadas a mudarem suas culturas e levarem a automação até seus departamentos de supply chain.

A seguir, vamos saber quais foram as tecnologias adotadas pela Natura e Electrolux nos processos de distribuição e entregas de produtos, melhorando a produtividade operacional.

Estudo da malha logística na Natura

Totalmente alinhada com a quarta revolução industrial, a Natura é uma empresa de vanguarda. A tecnologia na logística faz parte de seu DNA.

Investe, desde 1999, em automação, promove sustentabilidade, reduz seus custos logísticos, tem agilidade na entrega de pedidos e é focada na inclusão social.

Parte desse cenário foi traçado há oito anos, quando a companhia fez um “estudo de malha logística” para aperfeiçoar o atendimento pelo Brasil e reduzir os prazos de entrega dos pedidos das consultoras e via e-commerce para, no máximo, 48 horas.

Nestor Felpi, diretor de Inovação Logística da Natura, ressalta que a empresa transformou-se em uma corporação e tornou-se uma empresa multicanal. Hoje, tem participação consolidada na América Latina, sendo 70% no Brasil e 30% nos demais países latinos.

Com a implantação do cinturão logístico de São Paulo, a Natura reduziu os custos com logística e agilizou o sistema de entregas.

O projeto funciona da seguinte maneira: uma carreta automatizada é carregada em Cajamar com produtos acabados, é descarregada no hub em Itupeva, montada novamente com produtos solicitados pelo centro de distribuição de São Paulo e descarregada na capital paulista sem nenhum contato humano.

Toda a carga é montada fora do caminhão e depois, através de um sistema de esteiras motorizadas e elevadores, transporta-se tudo para o interior da carreta.

Esse processo de retirada ou abastecimento de produtos da carreta leva cinco minutos.

Tecnologia na logística da Natura

O hub de Itupeva, no interior de São Paulo, ocupa um prédio com 35 mil m², com 90 mil posições pallets, 13 corredores com transelevadores, 35 mil posições de caixa (armazém de caixa), dois robôs despaletizadores, dois robôs de paletizadores, carreta automática e esteira telescópica para granel.

Trata-se de um conceito inovador em nível mundial que trouxe os seguintes benefícios:

  • Redução de 72% de mão de obra;
  • Fim da armazenagem externa;
  • Expedição automatizada (expedição sem conferência);
  • Sistema de despaletização (zero pessoa com trabalho manual e tudo de forma integrada através de esteiras e um sistema WCS);
  • Sistema de paletização;
  • Granel na metade do tempo e com a metade das pessoas;
  • Atendimento ao Centro de Distribuição (CD) de São Paulo mais próximo de Itupeva em três horas;
  • Looping do armazenamento de caixa.

O CD de São Paulo é a segunda sede da empresa, ocupa 26 mil , abriga as áreas comercial, de TI e administrativa e uma central de monitoramento online. Tem a seguinte estrutura:

  • Capacidade de estoque de três dias com captação estendida no hub;
  • 74 mil posições de caixas disponíveis para linha de picking;
  • Recebimento automático dos 48 pallets de forma rápida;
  • Expedição rápida automática com dois robôs de despaletização;
  • Expedição automática com dois robôs paletizadores;
  • Estações para fracionamento e packing para atender e-commerce;
  • Descentralização do WMS para permitir melhor rastreabilidade;
  • Interfaces são intuitivas para incluir 18% de pessoas com deficiência;
  • Gestão de performance individual;
  • Pré-separação dos pedidos (picking antecipado);
  • Rastreabilidade de lote para o consumidor final.

Diante desses avanços, a Natura teve que repensar o modelo de trabalho de seus funcionários. Promoveu uma mudança cultural, fez com que seu time entendesse melhor a dinâmica dos fluxos, da operacionalização e da parte técnica.

Encontrou na inteligência artificial uma forma de controlar a performance e o funcionamento de equipamentos. É a maior fabricante de cosméticos do País – graças, também, à tecnologia.

Gestão de supply chain da Electrolux

A Electrolux, líder mundial de eletrodomésticos, tem o propósito de reinventar formas em favor do bem estar da sociedade. A tecnologia, nesse contento, é empregada nas linhas de produção e integrada aos processos logísticos da companhia pela competitividade.

Jivago Affonso, digital & automation, revela que a fábrica de São Carlos, no interior de São Paulo, é um case de sucesso nessa trajetória. Lá ficam seis linhas de produção, incluindo máquina de lavar, lavadoras de roupas, fogões e cooktops, três áreas tecnológicas e parte das peças são produzidas pelos seus 1.600 colaboradores.

A fábrica de São Carlos tem passado por uma revolução. Seu projeto logístico está sustentado pela tecnologia de ponta. Jivago destaca que o Interfacility Freight Automation Project (IFA), projeto de automação na saída da linha de produção, está revolucionando a gestão da suply chain.

Nesse sistema, todos os produtos são colocados em um linhão que vai até a área de expedição, sendo separados de acordo com as suas características e carregados automaticamente de 2,5 minutos em 2,5 minutos no caminhão, otimizando tempo, gerando economia no processo logístico e colaborando para se evitar acidentes.

Outra novidade é o uso de um etiquetador automatizado (labeling automatic assembly), que pega a etiqueta da impressora e cola no produto, substituindo o elemento humano nas linhas de montagem da fábrica.

Lá os robôs também estão sendo utilizados em vários processos ao longo da linha de montagem.

Smart Factory: um novo conceito na supply chain

A Electrolux está apostando na Smart Factory como modelo ideal de fábrica em nível global e que possa:

  • Detectar desabastecimento;
  • Modularizar as linhas de produção com o auxílio de robôs;
  • Buscar a rastreabilidade de todo produto para detectar se foi utilizado erroneamente dentro da supply chain;
  • Inclusão de robôs para atividades que não são ergonômicas

Além disso, a Electrolux vai introduzir o Manufacturing Execution System (MES) para coletar dados em tempo real, sincronizar os fluxos e a produtividade das fábricas.

Em São Carlos, o MES está em uma fase de testes integrados com a manufatura. A ideia é que no começo de 2019 o MES entre na fase de testes com a logística.

Eis a Electrolux na construção de uma interação digital pela melhoria da competitividade industrial.

Gostou dos cases?

A Natura e Electrolux estiveram presentes no Logistics Management Forum 2018, promovido pela Blueprintt em outubro.

Fique de olho na nossa agenda e participe de eventos como este.

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.