6 dicas para manter sua equipe engajada em um ambiente remoto

produtividade em home office
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Anos atrás, era inacreditável pensar que uma pessoa poderia entregar bons resultados trabalhando da sua casa. Pior ainda, seria pensar em produtividade em home office.

 

A verdade é que essa é, hoje, a realidade de diversos profissionais mundo afora.

 

A internet e a popularização de dispositivos móveis – aliados a questões como a mobilidade urbana e o desejo por mais qualidade de vida – impulsionaram muitas empresas a proporcionar um modelo de home office para seus colaboradores.

 

No entanto, para gestores e profissionais de Recursos Humanos, resta um desafio: como promover maior engajamento em um ambiente remoto?

 

Neste post, vamos dar algumas dicas de gerenciamento de pessoas que atuam em um “escritório virtual”. Acompanhe e saiba mais!

 

  1. Prepare os gestores para a mudança

 

Mudanças significativas como a adoção de um sistema de trabalho remoto podem assustar muitas pessoas no início.

 

Gestores podem se mostrar resistentes ao novo formato e não saber como avaliar e coordenar uma equipe na qual nem todos estão fisicamente presentes.

 

Foi justamente esse aspecto que Marcelo Alves Pereira, Diretor de Recursos Humanos da Enel, pontuou ao falar sobre o programa de home office que foi criado pela empresa em 2011.

 

O programa surgiu quando a instituição resolveu transferir boa parte de suas operações de São Paulo para Alphaville. Na época, a ideia era mitigar os impactos da mudança e usar o trabalho remoto como incentivo.

 

Hoje, o projeto ainda é percebido como grande benefício pelo time. “O programa é visto como algo positivo e virou parte do processo cultural da empresa, uma ferramenta de retenção de talentos e atração de colaboradores”, afirma Pereira.

 

Para o sucesso, ele explica que o RH fez um trabalho de convencimento com gestores e diretores, ressaltando vantagens como bem-estar da equipe, aumento da motivação e produtividade e redução do turnover.

 

  1. Organize a infraestrutura

 

Para viabilizar o trabalho e engajamento em um ambiente remoto, um funcionário necessita de alguns elementos básicos para ter um bom desempenho.

 

Primeiramente, troque desktops por notebooks. Outras boas medidas são substituir o sistema de ramais para programas de telefone pela internet como o VoIP. Conte também com aplicativos que facilitam a comunicação à distância, como o Skype for Business.

 

Em relação ao compartilhamento de informações, é válido pensar em migrar a rede – ou parte dela – para a nuvem. Além disso, a empresa vai precisar investir em servidores mais potentes para aguentar o volume do tráfego de dados fora do escritório.

 

  1. Defina expectativas para monitorar resultados

 

As maiores dúvidas e preocupações de gerentes estão relacionadas ao controle de horas e como a avaliação do trabalho será feita.

 

Nesse ponto, Pereira declara que os horários não são calculados em dias de home office e que o acompanhamento é realizado por meio de métricas e resultados.

 

“É preciso orientar gestores a cobrar funcionários por metas, demandas, entregas, qualidade e prazos que foram combinados previamente. O importante é fazer cobranças factuais e relevantes”, diz ele.

 

Ele ainda complementa a ideia assegurando que as avaliações de desempenho com metas individuais continuaram mostrando resultados positivos depois da implementação do trabalho remoto.

 

  1. Estimule a comunicação

 

É difícil viabilizar mais engajamento em um ambiente remoto se os gestores não fortalecerem a comunicação com sua equipe.

 

Os canais devem ser transparentes e eficazes, ou seja, em nenhum momento o funcionário deve se sentir “solto” ou “esquecido”.

 

Nesse contexto, Pereira é categórico em dizer que o colaborador tem sim o direito, de acordo com as diretrizes da empresa, de fazer home office ao menos uma vez por semana, mas que os dias, horários e a frequência devem ser combinados com o gestor.

 

A gerência deve ser flexível, mas o funcionário também precisa saber negociar e ter bom-senso.

 

Por vezes, o setor pode estar tendo que lidar com um volume inesperado de trabalho ou um novo projeto. Assim, esse não seria o melhor momento para se ausentar.

 

No fim, alega Pereira “trata-se de uma oportunidade para construir uma relação de confiança”.

 

  1. Oriente os colaboradores

 

Assim como os gestores, os funcionários também precisam se adaptar à um formato diferente de trabalho.

 

Por isso, vale a pena recomendar algumas boas práticas e dicas de conduta para guiar as pessoas sobre como será a rotina de trabalho remoto. Dessa maneira, evitam-se conflitos e desentendimentos.

 

Assim, oriente sua equipe a se planejar e programar horários. Afinal, trabalhar a distância significa também estar disponível para ler e-mails, responder mensagens e comparecer a reuniões por teleconferência, por exemplo.

 

Se a pessoa combinou com o gestor de conciliar um dia de home office com uma visita ao médico, precisa informar os horários os quais estará ausente.

 

Além do mais, nunca é demais relembrar as pessoas de separar a vida pessoal da profissional e evitar distrações.

 

Por vezes, a pessoa pode perder o foco com o que acontece na casa ou com possíveis interrupções da família.

 

  1. Contrate as pessoas certas

 

Programas de home office apresentam ótimas vantagens para o negócio, como a possibilidade de reduzir custos com materiais, impressões, energia elétrica, alguns benefícios – como vale transporte -, entre outros.

 

Ademais, muitas empresas percebem que seus funcionários estão mais motivados.

 

No entanto, nem todo o mundo tem o perfil de proatividade, autonomia e foco para trabalhar fora do escritório.

 

Sendo assim, se esse é um mindset que você pretende instaurar na sua empresa, fique atento e procure escolher candidatos que possam ter essa aptidão.

 

Leve em conta o comportamento do selecionado, sobretudo em relação a prazos, entregas e produtividade.

 

Como você viu, é possível ter mais engajamento em ambiente remoto se a empresa estiver comprometida com a construção de uma cultura corporativa positiva.

 

O trabalho em home office já é uma realidade e não se pode fugir dessa tendência. Cabe ao RH aproveitar esse clima de flexibilidade para garantir a retenção de seus melhores talentos e ter um time comprometido.

 

Você gostou desse conteúdo? Então conheça o Programa Executivo de Imersão em Home Office e continue aprendendo. Clique aqui e saiba mais!

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.