Entenda como otimizar tempo na manutenção industrial

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Um dos grandes dilemas das fábricas e centros de produção é conseguir manter um padrão no que diz respeito à manutenção industrial. A evolução da tecnologia possibilita inúmeras ferramentas e plataformas para tirar do papel qualquer plano, mas será que isso é o suficiente?

É preciso buscar um equilíbrio do custo operacional e a confiabilidade dos equipamentos, e só é possível atingir essa constância com planejamento e identificar quais pontos devem ser atacados para reduzir custo com manutenção.

No evento de Imersão em Manutenção Industrial organizado pela Blueprintt, Michael Araujo, Coordenador de Manutenção e Confiabilidade da Unilever compartilhou os desafios da jornada entre tempo gasto nas manutenções e como a empresa mudou o mindset após enxergar a oportunidade de centralizar as atividades.

Michael revela que o software utilizado para levantar indicadores que facilitam a padronização da manutenção industrial é o SAP-PM.

Segundo o Coordenador, todas as manutenções, todos os nossos dados, informações, históricos vem através do SAP-PM, eles se utilizam de um suporte para dar maior velocidade, comodidade e praticidade através de interfaces e com objetivo de melhorar a alocação dos técnicos na área de trabalho.

“Nossa estrutura hoje de controle de centralização foi desenvolvida olhando muito um pacote de tecnologias. Então hoje nós temos 10 fábricas no Brasil, cada fábrica tem um segmento, uma tecnologia diferente. (…) Essa diferença acaba trazendo uma oportunidade para estar dividindo essa estrutura de célula centralizada, para que cada planejador cuide de plantas que possuem o mesmo segmento, e dessa forma a gente ganha velocidade em expansão”, comenta Michael.

Benefícios de otimizar o tempo na manutenção

Além do ganho no tempo padronizando as tarefas, outros benefícios aparecem em decorrência dessa ação.

  • Controle de budget;
  • Redução no capital empregado e mapeamento para compra de material;
  • Redução de atividades que não agregam valor;
  • Estoque estratégico.

Uma decisão acarreta várias mudanças, claro que esses benefícios começam a aparecer após a implementação do planejamento. Contudo, é importante saber o que a empresa irá ganhar. Estrategicamente traz um aporte para as plantas e gestores continuarem o trabalho.

Reduzir tempo é diminuir custos. Provavelmente no levantamento anual ou semestral de cada empresa, o custo de manutenção estará figurando entre os que mais dão gastos, ficando apenas atrás de serviço (mão de obra) e produto.

Se olhar diante dessa perspectiva é menos complicado alterar a manutenção do que com os outros dois indicadores.

Terceirizar é a solução?

Contar com uma startup do ramo de manutenção industrial já não é algo inimaginável. Existem opções no mercado, e se o serviço bater com o que a empresa precisa, é uma possibilidade interessante.

Dependendo da estrutura da organização, vale mais a pena contar com ajuda externa do que movimentar todo um ecossistema. Isso não quer dizer que os gestores, supervisores e operadores não estarão a par do que esteja acontecendo, mas é uma forma de demandar uma dor de cabeça e focar na atuação de forma mais estratégica.

Para a Unilever, a companhia preferiu seguir o caminho de forma independente, onde a “torre de manutenção” como eles chamam o centro de gerenciamento foi criada em 2017 com o foco de administrar as 10 plantas da empresa.

“Com essa centralização de manutenção a gente conseguiu uma redução de 4% do custo total de manutenção aqui no Brasil”, ressalta o Coordenador.

Isso acaba impactando outros setores, por exemplo em compras, que antes tinha uma demanda já estabelecida de materiais de reparo que, por conta dessa redução, acaba se transformando em ativo.

A capacitação dos colaboradores é fundamental para que esse centro de gerenciamento tenha êxito. Aproveitar os talentos que já estão dentro da empresa, que fazem parte do dia a dia e detectar pessoas com expertise e interesse para tecnologia, programas e automação fará toda diferença durante a jornada.

“Se você tá em uma auditoria, você não precisa mais de sistema, não precisa mais de televisão, apenas um aplicativo que está na sua mão, você clica e consegue verificar como está o planejamento de manutenção desse equipamento, quantas ordens tem abertas, ordem finalizada, as notas”, afirma Michael sobre o uso da tecnologia com a capacitação dos funcionários.

É impossível planejar uma mudança dessa dimensão sem utilizar ferramentas como machine learning, design thinking, inteligência artificial entre outros. Realize um estudo e faça uma pesquisa no mercado para saber qual delas irá funcionar na rotina da produção.

Venha fazer parte do Programa Executivo de Imersão em Manutenção Industrial. Clique aqui para maiores informações.

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Ao enviar este formulário você está concordando com nossos termos de uso e política de privacidade

Formulário enviado com sucesso

Clique para fechar

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.