Entenda como otimizar o desempenho no sistema de gestão de ativos

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Gerir dados e transformá-los em novos indicadores é o desafio do momento para diversas companhias que, dentro das suas unidades, encontraram um novo modo de atrair rendimentos para o negócio.

Com base em metodologia de padronização, empresas buscam uma forma de otimizar o desempenho no sistema de gestão de ativos. Tornar o cenário favorável é o desejo de executivos e líderes, durante este artigo iremos compartilhar ideias e dicas sobre o tema, a fim de gerar reflexões e novos insights para você.

Fábio Santos, Engenheiro de Equipamentos da Petrobras participou do evento Imersão em Manutenção Industrial realizado pela Blueprintt. Fábio trouxe o case da empresa sobre a gestão de ativos com base na padronização e melhoria de desempenho.

A experiência de Fábio na Petrobras é desafiadora, pois a empresa atua em um segmento crucial que atinge diversos segmentos da sociedade, mas isso não impede que as ideias e ações sugeridas pelo Engenheiro não sirvam para outros lugares.

Cada empresa tem seu universo, por outro lado, estar aberto a ouvir e compartilhar conhecimento é uma qualidade que agrega valor para qualquer empresa.

Fábio destaca dois indicadores macro das usinas:

  • Disponibilidade da parada programada;
  • Confiabilidade;

O Gestor explica que cada indicador tem um prazo para operar, e o objetivo é atender dentro ou antes de atingir a data combinada para não gastar.

Com base nesse estudo que o sistema de gestão de ativos chegou na empresa. A centralização para a gestão, seja sobre qualquer documento ou ativo é o caminho mais seguro.

Mas afinal, o que é a gestão de ativos?

É uma atividade coordenada de uma organização para gerar valor a partir dos ativos, seu principal propósito é dar valor para todos os ativos, físicos ou não.

Quatro ativos são fundamentais e para que a empresa consiga resultados positivos, é necessário gerir todos com a mesma importância.

Ativos humanos

Consiste em trabalhar a motivação, comunicação, definir papéis e responsabilidades, capacitação, compartilhamento de conhecimento, liderança e trabalho em equipe. Pode parecer simples, porém, à medida que a forma de se relacionar se transforma por conta das novas tecnologias, saber lidar e compreender o time, exercer a diversidade e principalmente a resiliência é uma missão complexa a cada geração que chega ao mercado de trabalho, pois as expectativas mudam a cada ciclo.

Ativos informacionais

Que são condições, desempenho, atividades, custos e oportunidades. Basicamente são de cunho gerencial.

Ativos intangíveis

Diz respeito à reputação, imagem, moral, restrições e impacto social. É preciso levar esse ativo em consideração, pois, conforme mencionado, a forma de se comunicar mudou. Com isso, as empresas estão mais expostas, portanto, realize uma análise de risco.

Ativos financeiros

São os contratos de compra e venda, custos do ciclo de vida, investimento, entre outros.

“Qual é o nosso objetivo? Na gestão de ativos, a gente tem que equilibrar esses três pontos: desempenho, custo e risco em conformidade. Não adianta eu deixar meu custo totalmente baixo se meu desempenho abaixar e meu risco aumentar. Não adianta eu ter um risco mínimo, se o custo for lá no alto e meu desempenho cair”, explica Fábio.

O Institute of Asset Management (IAM) é um órgão sem fins lucrativos referência na gestão de ativos, com sede no Reino Unido, a organização foi fundamental para a criação da norma internacional ISO 55000.

Com esse documento, empresas do mundo inteiro conseguiram se guiar com o objetivo de otimizar a gestão de ativos. O desenvolvimento de um sistema, suportado pela engenharia da confiabilidade em conjunto da aprendizagem organizacional.

Fábio comenta que uma consultoria foi contratada para ajudar na organização e com base na ISO 55000, o material foi criado.

“Esse manual é muito interessante, o IAM divide a gestão de ativos em 39 tópicos e para cada um ela dá o direcionamento a fim de mostrar como a sua unidade está. Então a gente pegou os 39 tópicos e condensou em 17 áreas chaves de performance”, afirma o Engenheiro.

Podemos notar que, com base em um material certificado e entendendo onde estão as principais necessidades, direcionar as ações fica se torna uma tarefa menos complexa.

Segmentar e padronizar é o caminho para que o planejamento estratégico faça sentido, principalmente quando falamos de sistema de gestão de ativos. Documentar cada parte do processo traz uma segurança e garante um histórico, além de virar um novo indicador.

Quer saber mais sobre esse universo? Se inscreva no Programa Executivo de Imersão em Manutenção Industrial. Acesse nosso site para mais informações.

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Ao enviar este formulário você está concordando com nossos termos de uso e política de privacidade

Formulário enviado com sucesso

Clique para fechar

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.