Entenda como desenvolver a estratégia da empresa ágil e integrada

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A chegada da alta tecnologia no mundo empresarial forçou uma mudança no modo de pensar e de fazer negócio. Ainda que muitas empresas e executivos enxerguem toda evolução digital como apenas uma tendência, as organizações que encaram esse tema como realidade dentro da estratégia da empresa no dia a dia levam vantagem no mercado competitivo.

O conceito de planejamento estratégico é uma das mudanças onde a alta direção precisa reconsiderar alguns modus operandi, como o pensamento a longo prazo, metas altas — quase inatingíveis — para planejamento mais curtos, resultados rápidos, com base em dados e indicadores a fim de obter o resultado mais ágil. Muitos não consideram esse conceito como planejamento estratégico, se apegando à zona de conforto. Mas é apenas uma nova forma de conduzir o negócio da companhia.

Independente do segmento da organização, se oferece produto ou serviço, a solução tecnológica necessita de uma mudança na cultura empresarial. As plataformas escolhidas devem atender todos os envolvidos, do porteiro ao presidente, fornecedores e candidatos.

Plataformas digitais com foco na estratégia da empresa

Plataforma de cadastro: é responsável por toda jornada de atração e boas vindas, todos os candidatos que pretendem entrar na empresa, ela irá encontrar percurso de experiências positivas no primeiro contato.

Para desenvolver essa jornada, o setor de produtos precisa da ajuda dos times de UX com base em muita pesquisa.

“A gente criou conceito de produto e por funcionalidades globais. Onde simplesmente liga ou desliga de acordo com cada geografia que a Natura irá operar. Esse é o conceito usado nos produtos que nós criamos”, diz Marcio Abdullatif, Gerente Sênior de Plataformas Comerciais Digitais da Natura sobre a intenção das plataformas serem dinâmicas, flexíveis e multi geografias.

Plataforma comercial e de relacionamento: essa plataforma pode ser considerada o coração entre todas as outras, por tratar de vendas por relação, conhecida também, como venda direta. Tendo em vista que a relação de consumo mudou, não adianta um produto ser apenas ele, hoje a experiência conta muito. Além de agregar valor à marca da companhia.

Portanto, personalizar o relacionamento com os clientes ou fornecedores oferecendo uma proposta de valor flexível de acordo com as necessidades de cada um é um diferencial enorme. Adequando a aquisição para cada perfil de vendas. Outro passo extremamente importante é relacionar os canais de vendas da empresa com o home office. Priorize uma plataforma modular com cada serviço, onde cada profissional possa trabalhar de forma independente. O impacto que um produto gera ao tornar o acesso mais ágil é gigantesco.

Plataforma de vendas: aqui o grande diferencial é o mindset na hora de desenvolver a ferramenta. Crie um grupo entre vendedores, time de produtos, setor de UX e tecnologia para levantar necessidades e possibilidades que a plataforma irá atender. Nada mais justo ouvir quem está na ponta para criar uma experiência melhor para melhorar o rendimento. Ter esse mindset na estratégia da empresa é crucial para obter êxito na trajetória.

Existem diversas ferramentas no mercado, como design thinking, discovery, machine learning, etc., com o objetivo atender todas as carências e urgências do time de vendas.

É desejável que as plataformas sejam criadas com o pensamento global — se for o caso da sua empresa — facilitando a coleta de informações de cada região para usar como indicadores, seja de melhora, oportunidades ou possíveis riscos.

O indicado não é dar o start em tudo apenas de uma vez, realizar testes e ao poucos, mas de forma ágil, comece a implementar por todos os países onde a empresa atua.

“O quanto o planejamento estratégico para nós continuarmos sendo o ponto-chave é o direcionador da Natura, e foi o nosso grande motivador da gente criar esses novos produtos (plataformas). A gente sempre revisa praticamente a cada quarter o nosso planejamento estratégico”, complementa Marcio.

É perceptível que a tecnologia é a habilitadora e um transformador do negócio da empresa, conforme comentado no início do artigo. Quanto mais rápido o executivo ou o gestor entender essa movimentação, menor será o tempo perdido. É válido ressaltar que esse processo não é necessariamente de cima para baixo. Isso passa por muitas questões, mas se o líder ou gerente quiser apresentar a proposta de ser ágil e integrada para a estratégia da empresa, é essencial se munir de informações e ganhar a confiança da alta liderança para tocar o projeto.

A chave é criar produtos digitais junto com o business com o foco em gerar valor para a organização. Não focar somente em sistemas de automatização simples que não irão alterar ou agregar o patamar da empresa como um todo.

Setup dos times (squads)

O primeiro passo é digitalizar o modelo para criar uma solução tecnológica com o foco no mercado para a partir desse ponto definir os pilares fundamentais a fim de alavancar os negócios não só no Brasil, como no global.

O framework é fundamental para alavancar a produção do produto, como plataforma digital, e também para unificar as operações. Se o objetivo é conectar times espalhados pelo mundo, com culturas distintas é preciso ter definido os valores e critérios respeitando a especificidade de cada mercado interno.

Mas pensando na estratégia da empresa, é vital definir um único modelo, que a partir do planejamento estratégico se defina os objetivos criando o conceito de jornada. Logo, quebrar os objetivos em partes para alcançar o resultado de forma ágil.

Os squads de consultoria, força de vendas, entre outras específicas para o modelo, criam o direcionadores estratégicos para que a empresa atinja o objetivo do semestre.

Como isso roda na prática?

“A cada trimestre a gente define quais são os nossos objetivos, repassamos toda a estratégia do começo do ano, então a cada três meses a gente vem revalidando os objetivos, aprendendo com o que nós fizemos no trimestre anterior e com isso, a gente cria o conceito de PI planning (roteiro) e o desenvolvimento de tudo isso se dá dentro da nossa jornada da plataforma atendente todas as necessidades”, afirma Rodrigo Merlim, Gerente de Aplicativos de TI da Natura.

Os depoimentos de Rodrigo e Marcio foram colhidos no evento de Imersão em Business Agility em setembro de 2020, realizado pelo BLUEPRINTT.

Para saber mais sobre esse e outros temas relacionados, faça parte do Programa Executivo de Imersão em Business Agility. Clique aqui para maiores informações.

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.