CSC – Saiba como estruturar e consolidar desde o seu início

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Não é de hoje que as empresas buscam uma forma de otimizar as atividades através de processos ágeis e eficientes. O caminho natural é apostar em inovação, tecnologia de ponta e automatização, o Centro de Serviços Compartilhados irá fazer com que todas as tarefas melhorem o desempenho por meio de segregação das atividades transacionais e não transacionais, centralização das atividades e a unificação dos departamentos, entre outros pilares.

Definir onde construir o CSC é fundamental para estruturar e consolidar a área, desenvolvam análises para suportar o processo de decisão:

Análise qualitativa: comparação das potenciais cidades (fábricas, escritório e CD) baseadas nos indicadores qualitativos da cada local, como qualidade de vida em geral.

Análise quantitativa: simulação de custos pontuais e recorrentes para cada possibilidade.

Tomada de decisão: ponderação dos critérios qualitativos e quantitativos para ter uma visão final sobre as potenciais cidades.

O início gera receio, uma saída para clarear o horizonte é pensar em três perguntas: por quê, como e o que é. Encontrar um propósito faz com que toda a jornada tenha sentido.

Todas as empresas vivem uma constante transformação e o CSC será um pilar para acelerar o crescimento do negócio.

Como fazer? Encantando os clientes externos e internos por meio de inovação, melhoria contínua e processos simples.

Entregando soluções inovadoras, antecipando as necessidades e compartilhando conhecimentos. 

Benefícios ao consolidar o modelo de CSC

A prática efetiva na gestão de CSC assegura uma administração de despesa eficiente, os principais benefícios são: ferramentas e métodos comparticipados, gerenciamento compartilhado, controle aperfeiçoado, aumento da eficácia e melhoria contínua na entrega de serviço.

Conheça mais vantagens do Centro de Serviços Compartilhados:

Tangíveis:

  • Redução de despesa;
  • Aumento da produtividade;
  • Economia em escala;
  • Consolidação da tecnologia;
  • Maior controle sobre processos;
  • Aumento do capital de giro.
  • Aumento das compras pela consolidação dos fornecedores.

Intangíveis:

  • Melhoria de serviços aos clientes;
  • Processos padronizados;
  • Abordagem única;
  • Manutenção eficaz dos padrões;
  • Melhoria na precisão das informações;
  • Melhora da curva de aprendizagem.

Para começar a colher os louros, é preciso se atentar aos passos de implantação. Confira algumas dicas a seguir durante essa etapa:

Falamos muito sobre processos compartilhados, pois é muito importante ter isso em mente, porque não são iguais e irão se modificar de acordo com os clientes ou pelo próprio mercado. Lembre-se sempre de três categorias de capacidades organizacionais, com base em experiência, transações e estratégicas.

Em relação a transação, priorize a todo momento um custo menor, sem perder a qualidade, obviamente. Em serviços fundamentados em experiência, requer habilidades dos profissionais para resolução de problemas específicos. As estratégias são essenciais para padronizar os negócios e para a competitividade da empresa.

Priorize uma abordagem simples, conheça a fundo a empresa e faça um estudo para definir os prós e contras, após a análise, defina qual a forma de abordagem, se será direta ou algo mais lento e gradual. O fundamental aqui é ter um padrão e lembrar do propósito do CSC.

Avalie sempre os critérios de performance com intuito de consolidar a relação do negócio e os serviços compartilhados. Através de plataformas digitais, busque os principais indicadores de desempenho, pois devem ser identificados, rastreados e comunicados. Essa ação também é conhecida como benchmark e precisa ser monitorada constantemente, além de observar como outras empresas implantaram o CSC para obter vantagem competitiva.

Outra dica é a tecnologia em gestão, mais que “tombar” processos através de automatização e RPA, busque por uma comunicação interativa e dinâmica. É bem comum encontrar no mercado diversas tecnologias com os mais variados serviços. Escolha a melhor que se adeque a rotina da empresa, privilegia por uma de fácil acesso aos clientes internos e externos.

A cada novidade implantada realize pesquisas de satisfação para mensurar os resultados e por meio de gráficos ou vídeos apresente os números para as áreas, tanto positivo e onde deve ter o foco de atenção para melhorar o processo.

O grande desafio não é “sair do zero”, mas sim, manter o foco em melhoria contínua e a manutenção, para assim ter a consolidação do CSC nas áreas. Após a consolidação, o movimento natural será expandido por todos os setores, conforme o sucesso, as demais áreas irão querer fazer parte desse processo.

Ficou curioso e quer saber mais? Você pode fazer parte do próximo programa executivo de imersão em Shared Services, clique aqui e se inscreva. Esperamos você!

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.

IMERSÃO EM SHARED SERVICES
Condições especiais por tempo limitado. Apenas 35 vagas disponíveis