Conheça as características do PMO do futuro

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Em mundo tão competitivo, o mercado exige cada vez mais capacitação para ocupar cargos de confiança. Não é à toa que o conceito do profissional em T é procurado por ser uma característica que tem agradado as corporações.

As habilidades exigidas hoje visam menos o operacional priorizando a versão do estratégico, ágil e adaptável. Falando especificamente de gerenciamento de projetos, o PMO do futuro deve dominar essas qualidades. A fim de ajudar a tornar os processos mais flexíveis e menos engessados.

No último evento sobre Imersão em PMO, Anderson Veronezi, Gerente de Portfólio da Telefônica foi convidado a palestrar trazendo o tema: readapte metodologias para uma gestão de portfólio que caminhe lado a lado com a estratégia da empresa.

O PMO é uma função que carrega muita responsabilidade, além da gestão de projetos, o profissional também responde pela gestão de indicadores, metodologia de boas práticas e de sistema para a gestão de projetos.

A diferença entre ele e outros colaboradores que também são responsáveis por gerenciar projetos é o nível de complexidade. Então, projetos de alto risco, com um grau elevado de dificuldade e cross funcionais são tarefas de um PMO estruturar para chegar no resultado esperado,

“Nosso objetivo é perguntar para um diretor ou para um vice-presidente: o que é um PMO corporativo? A resposta tem que vir relacionada com a referência na gestão de projetos”, resume Anderson no começo da palestra.

Além das características já citadas, outro pilar crucial para o PMO é o posicionamento. Como área, o PMO deve ser neutro. Dessa forma o setor consegue defender os interesses da empresa, consegue auxiliar no processo de tomada de decisão ao acompanhar os indicadores do mercado e outro ponto importante é ter empowerment para mostrar os diferentes pontos de vista.

Cabe relembrar que a equipe é responsável pela metodologia. Existe uma dificuldade em como trabalhar com metodologia, pois cada pessoa tem sua visão sobre como aplicar. Se é calcado no ágil, robusto, preditivo e etc.

“O que a gente acabou fazendo para reduzir isso e hoje funciona muito bem, é fazer com que a equipe seja dona da metodologia, então os GPs são donos da metodologia. Por quê? Eles estão lá, eles sabem o que gera mais valor, o que funciona melhor e o que não funciona tão bem”, explica Veronezi.

A visão de como a Telefônica trabalha essa situação é interessante, essa ação gera senso de pertencimento na equipe. Anderson citou qual é o processo utilizado para a verificação das metodologias.

  • Revisão a cada dois anos;
  • Cada equipe é responsável pelo entregável;
  • Workshop para validação.

Após essas etapas, o sistema de gestão de projetos é atualizado com as novas inserções de ferramentas.

Afinal, quem é o PMO do Futuro?

Antes de entrarmos no tema, é preciso destacar que, o curso “normal” de todas empresas foi alterado por conta da pandemia causada pelo COVID-19. Logo, as prioridades mudaram, assim como a forma de planejar e o uso da tecnologia aumentou bruscamente.

A comunicação também sofreu uma revolução, hoje os Daily meetings e a comunicação por vídeo e áudio se banalizaram, além do acesso remoto dos sistemas. Pelo lado humano, a preocupação é em como diminuir a ansiedade.

E transferindo tudo isso para o PMO do futuro, qual o comportamento esperado?

Times auto gerenciáveis: é uma tendência, pois em diversas áreas esse conceito é comum. O cenário de pandemia gerou uma autonomia jamais vista em relação a funções, tomadas de decisão e a forma de se conectar.

Metodologias disruptivas: com a urgência por mudanças e o mercado de inovação em plena expansão, novos modelos podem surgir. Mais do que esperar pelo novo, o PMO do futuro precisa estar atualizado com as novidades que correspondem direta ou indiretamente a suas funções.

Agilidade: é o tema mais falado na atualidade e tudo leva a crer que continuará por mais anos. O máximo que pode acontecer é um conceito híbrido em relação ao preditivo.

“O PMO vai continuar existindo independente do que aconteça. Muito no sentido de ‘pode mudar o nome’, como já até foi dito. Pode virar VMO, pode virar qualquer nome que as pessoas achem interessante, pois terminologia é algo que acaba sendo vendável”, opina Anderson sobre o futuro do PMO.

Por fim, a conclusão que podemos chegar é que o PMO será relevante para o negócio da empresa, independente de como será a atuação no futuro. Gerenciar projetos e criar um portfólio robusto faz toda diferença para a marca, seja como valor agregado ou para os resultados.

Para ficar por dentro de tudo que envolve esse universo, se inscreva no Programa Executivo de Imersão em PMO. Clique aqui para mais informações.

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Ao enviar este formulário você está concordando com nossos termos de uso e política de privacidade

Formulário enviado com sucesso

Clique para fechar

PROGRAma executivo de imersão em pmo

Faça com que o escritório de projetos agregue valor ao negócio, mesmo em um cenário com tantas mudanças e incertezas

IMERSÃO EM PMO

Condições especiais por tempo limitado. Apenas 35 vagas disponíveis. 

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.