Guia rápido sobre compras além do saving

Compras além do saving
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Aquele ciclo de mais gastos, alto volume nas produções gerando um retorno maior vêm caindo por terra. Pensar dessa forma é estar atrasado independente da área de atuação, abrir a mente para novas ideias e, principalmente, rever conceitos é um exercício criativo e necessário para se reinventar, ainda mais em tempo de crise e recessão econômica. É disso que se trata o conceito de compras além do saving.

Para começar, vale uma rápida explicação sobre o termo saving, ao pé da letra quer dizer redução de custos, otimizando investimentos com estratégias de análises. Na prática é o quanto foi feito de economia e o quanto de gasto foi evitado. Outro termo bastante conhecido é o cost avoidance, traduzido para o português é evitar custos. Ambos são indicadores de compras.

E por que investir em saving? Ele sugere a diferença entre um orçamento contra o que foi comprado através do cálculo. Expondo o quanto as áreas conseguiram economizar, possibilitando um bom relacionamento entre clientes internos e fornecedores.

Estratégias de compras além do saving

Entenda como juntar as ideias e agregar valor para a sua compra.

Conectar a sua compra: com a necessidade do cliente interno, estar convencido se aquilo é o melhor para empresa. Validar realmente a carência da área.

Analisar o mercado: acompanhar as indústrias, garantindo um preço fixo de seus fornecedores.

Analisar o fornecedor: aqui fica uma reflexão: como foi a relação de parceria para ajudar seu fornecedor que passou dificuldade na crise? Estabeleça um vínculo de confiança, pois sabemos que o mercado é volátil e no futuro pode ser você que precise de apoio.

Contexto econômico: o mundo inteiro está inserido no mesmo contexto, a pandemia do novo coronavírus. Fique atento ao mercado.

Concorrência: saber o quanto o concorrente paga é importante para medir os custos, barganhar valores e ganhar pontos internamente.

Faz parte adotar estratégias diferentes para compras pequenas e grandes, de repente, terceirizar pode ser uma opção dependendo da demanda.

Com base nesses pontos, é a hora de desenvolver a estratégia de compras focada em redução de custos.

Uma das principais aptidões de um comprador é a negociação. Entender a linguagem do mercado, dominar assuntos relacionados a finanças e poder de convencimento para o fornecedor trazer uma proposta melhor. Essas competências também servem para ações com o público interno.

Vale ressaltar que para obter os resultados esperados é extremamente importante o estabelecimento de um fluxo entre a equipe de compras e os demais setores nas decisões estratégicas, esse envolvimento possibilita que qualidade e redução de custos andem juntos.

Um desafio que o profissional da área irá encontrar é quantidade x valor. Neste momento, a análise econômica será uma grande aliada. Questionar sobre a quantidade solicitada comparando com budget disponível é essencial para facilitar a tomada de decisão. Mesmo que inicialmente a lógica de atacado faça sentido para o valor, deve-se levar em consideração a quantia inutilizável. No fim das contas, isso pode ser um prejuízo.

Ter o aporte do conselho diretivo ou da presidência é fundamental para implementar as estratégias. Sem essa carta branca, esse processo se torna uma missão muito complicada.

Mas então, como ganhar essa confiança? A análise da concorrência é uma forma de convencer o CEO, prevendo as tendências e mostrando que a partir do seu plano a empresa irá expandir o saving.

Ganhos e benefícios

  • Controle de fluxo;
  • Orçamento assertivo;
  • Definição de política para compras;
  • Tendências de mercado (mapeie as oportunidades e traga para dentro da empresa se adiantando aos novos lançamentos);
  • Engajamentos com clientes internos.

“Na Pepsico a gente constrói juntos o orçamento e eu tenho que prometer o projeto que eu vou fazer”, afirmou Mário Speziano, Head of Indirect – Global Procurement Sr. Manager da Pepsico na palestra do Procurement Summit 2020.

O depoimento de Mário é interessante, pois mostra o desafio do setor de compras com os demais parceiros. O palestrante ressaltou o quão importante é manter um bom relacionamento com outras áreas.

Por vezes, o saving acontece agregando valor ao produto ou fortalecendo uma base forte com seus fornecedores e não necessariamente no ato de comprar. Negociação faz parte desse universo e conforme mencionado acima é preciso manter-se atento ao mercado e as oportunidades que ele oferece.

Concluímos que a área de compras é cada vez mais o centro de uma empresa, com um papel estratégico oferecendo ganhos surpreendentes, aumentando os savings, em consequência da solidificação de demandas e o aumento do poder de barganha. 1% de saving pode simbolizar mais de 9% de lucro.

Quer aprender mais sobre o assunto, além de trocar experiências com outros profissionais da área? Inscreva-se no Programa Executivo de Imersão em Procurement. Acesse o site e conheça a programação!

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.