Conheça o novo centro inteligente para controle de processos logísticos da Monsanto

centro-inteligente-de-logistica
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O setor logístico vem passando por uma grande transformação, incorporando tecnologia em seus processos e locais de distribuição. Um dos exemplos é o novo centro inteligente de logística da Monsanto, que vamos falar hoje nesse artigo.

Mas o que é essa tecnologia que o setor vem adotando?

Trata-se de armazenamento de informações na nuvem, plataformas tecnológicas para centralização de serviços, inteligência artificial, automação e internet das coisas, entre outros.

Essas soluções vêm para resolver as problemáticas mais presentes hoje no segmento, que são a diminuição de custos, segurança do transporte, melhor gerenciamento de estoque, gestão integrada e transformação omnichannel, por exemplo.

Mas, antes de pensar na logística como vemos hoje, é necessário voltarmos há muitos anos na história para entender a sua evolução. Isso permite que a gente dê a devida importância ao setor.

Algumas empresas ainda focam seus olhares ao “vender mais”, trabalhando muito mais a área de marketing e os times de vendas.

Mas esquecem que um dos pontos-chave da experiência do consumidor, que é o que o faz voltar a comprar, mora na logística.

Período pós Segunda Guerra Mundial

Este período foi marcado pelo retorno de um comércio com grandes necessidades de engatar uma produção à todo vapor, porém encaixado em um mercado totalmente arcaico e inflexível.

Todos os olhares eram voltados aos grandiosos transportes em massa, sem nenhuma atenção ao consumidor final.

Imagine uma sociedade em que todos os eletrodomésticos eram da mesma cor e modelo e tudo que se conhecia até então sobre tecnologia estava concentrado nas produções e não distribuição.

Além disso, toda a logística da época era controlada manualmente, fazendo com que a comunicação do setor se tornasse morosa e pouco produtiva.

Assim, o único atrativo do mercado era as empresas que entregavam com os menores custos, porém sem priorizar a qualidade, fazendo com que o mercado caminhasse a passos lentos.

Real abertura do mercado

Já na década de 1960, os grandes supermercados, por exemplo, começavam a receber as inovações alimentícias desta nova sociedade. Mais opções, cores, sabores, tamanhos e variedades fizeram com que o mercado aquecesse.

Porém, consequentemente, os custos aumentaram para as empresas de transporte. Fora o fato de que, na década seguinte, isso ainda se agravaria com a crise do petróleo.

Uma das saídas encontradas pelo segmento foi a criação de novas modalidades, como os transportes multimodais e o aproveitamento do boom tecnológico que a época lhes ofereceria.

Não dá para esquecer também que, com toda esta movimentação, também surgia o, hoje já tão comum, código de barras e controle de estoque, mais um grande passo carimbado no segmento logístico.

O boom do e-commerce

Nos anos 2000 pudemos ver o mercado voltar-se à logística, não só como um serviço de transporte, mas sim como uma arma competitiva de negócios.

Isso evoluiu para uma visão Supply Chain Management (Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos), ganhando o posto de geradora de negócios e investimento em parcerias, graças à chegada do e-commerce no Brasil.

A internet na vida das pessoas, não só das empresas, tornou os consumidores muito mais exigentes e deu acesso à personalização de produtos, que podem ser recebidos direto em seus endereços de preferência.

A nova onda de terceirização deste serviço também proporcionou um crescimento absurdo para esta qualidade exigida e, é claro, nos lucros.

Algumas novidades ainda surgiram na época, como a logística reversa e a grande preocupação no pós-venda, não só quanto a qualidade de produtos, mas também do seu transporte.

Hoje, no entanto, a preocupação é como integrar tecnologia aos processos de distribuição e logística. Por isso, a Monsanto deu um passo à frente e criou o Logistics Smart Center, que nada mais é do que um centro inteligente para controle de processos logísticos.

Centro inteligente de logística

Segundo o Líder de Operações Logísticas da Monsanto, Johnny Ivanyi, esta mudança começou além da área de Supply Chain, mas sim em todo Costumer Care da empresa, que, sem dúvida nenhuma, envolveria a forma como eles vinham lidando com a logística.

“Precisávamos ser uma área mais dinâmica, proativa, que não espera o problema acontecer, melhorar prazos, ganhar excelência e tornar o UX dos nossos clientes o centro das atenções” frisa Ivanyi.

A nova plataforma funciona ao estilo Cloud, centralizando todos os serviços e fazendo o gerenciamento da frota, analytics, controle financeiro, acompanhamento das cargas em tempo real, monitoramento por câmeras e até o controle de umidade e temperatura dos centros de distribuição.

A empresa tem suas operações mais concentradas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do país, mas também presente no Sul, Norte e Nordeste.

A novidade está rodando há cinco meses, por enquanto, apenas na cidade de São José dos Campos, no interior de São Paulo. Ela foi construída internamente e levou 100 meses para ficar pronta.

Porém, a Monsanto já tem estuda replicar a iniciativa para cidades como Camaçari, na Bahia, Campo Verde, no Mato Grosso, e Uberlândia, em Minas Gerais.

Resultados na Monsanto

Resultante do escalável e eficiente trabalho realizado por meio de machine learning, a empresa já conseguiu evitar mais de 600 atrasos em três meses, um total de 20% de otimização no nível das entregas.

Houve também a redução de 40 toneladas na emissão de CO2, oriundos da diminuição de 500 mil km rodados nas entregas devido a otimização dos roteiros e redução da acuracidade de inventários, entre outras mudanças.

Além disso, também aconteceu uma melhora no SLA quanto ao custo, qualidade de entrega, operação interna e experiência do cliente, já que os índices de NPS subiram.

Um grande ganho também foi a possibilidade de ter um time melhor desenvolvido e focado em todas as otimizações já apresentadas.

Agora, a equipe já está focada no próximo passo que a empresa pretende dar: o lançamento do mesmo conceito de plataforma para a parte de Costumer Service.

Gostou do case da Monsanto? Então acesse o site e confira o Programa Executivo de Imersão em Inovação de Processos. Continue se desenvolvendo e troque experiências com outros profissionais da área. Acesse aqui!

Sobre o autor

Artigos relacionados

Estratégias baseadas em grandes ideias vencem

Cadastre-se para receber mais artigos como este e domine sua função

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência com nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, clique aqui.

IMERSÃO EM INOVAÇÃO DE PROCESSOS
Condições especiais por tempo limitado. Apenas 35 vagas disponíveis