Blog

Insights de gestão para você antecipar, assimilar e solucionar os seus desafios de negócio

Como gerar valor em áreas transacionais de Recursos Humanos
O RH busca por melhorias, mudanças ou, simplesmente, o merecido reconhecimento de outras áreas. Veja como fazer uma gestão eficiente.

Conecte-se

[addthis tool=addthis_horizontal_follow_toolbox]

Gerar valor em áreas transacionais de Recursos Humanos está diretamente ligado aos processos de uma gestão eficiente respaldada em tecnologias modernas e, principalmente, focada no capital humano da empresa. 

Fazer esse tipo de análise é importante, tendo em vista que, muitas das vezes, a governança dos Recursos Humanos busca por melhorias, mudanças ou, simplesmente, o merecido reconhecimento de outras áreas. Porém, não consegue conduzir seus próprios departamentos, de modo a ser valorizada pelos demais líderes da empresa. 

Por isso, preparamos este artigo para mostrar o que deve ser levado em consideração e como gerar mais valor nas áreas transacionais de Recursos Humanos. Vamos conferir? 

Qual é a importância de gerar valor nas áreas transacionais de RH? 

Até pouco tempo, as áreas de recursos humanos se limitavam a processos meramente operacionais e eram chamadas de departamento pessoal. Basicamente, esse setor atendia às funções burocráticas por meio de procedimentos padrões e atuava com tarefas rotineiras, como folha de pagamento, recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento profissional do cliente interno. 

Mesmo que hoje todas essas funções ainda pertençam às áreas de recursos humanos, podemos dizer que o papel do setor se tornou muito mais estratégico do que meramente operacional. 

Isso se deu não somente graças aos avanços e tendências tecnológicas, mas também por uma necessidade de agregar mais valor às áreas transacionais de recursos humanos. Ou seja, o setor passa, cada vez mais, a ser enxergado como fator essencial para as estratégias do negócio como um todo. 

Por exemplo, imagine que um líder convoque uma reunião para rever, reconhecer ou engajar seus colaboradores em relação aos resultados de um determinado projeto. De repente, um aspecto chama a atenção de todos: o pagamento daquele mês ainda não foi creditado na conta bancária! 

Como isso impacta na percepção do colaborador em relação ao negócio? Será que isso o desmotivará? Afetará a relação do time com os clientes finais? Esse líder terá a devida atenção para a atividade que pretendia fazer? 

Enfim, tudo isso prova que um simples descuido, falha ou erro operacional pode trazer impactos negativos às áreas transacionais de recursos humanos e afetar diretamente o negócio.

E como otimizar as áreas transacionais de Recursos Humanos? 

Ao otimizar processos, rever procedimentos e automatizar tarefas, conseguiremos também agregar mais valor às áreas transacionais de Recursos Humanos, tornando-as muito mais estratégicas do que operacionais para o negócio. 

Não que haja uma receita pronta de tudo aquilo que deve ser implementado no setor. Mas alguns pontos essenciais são comuns para todas as empresas e, sem dúvidas, podem servir como referência para essa transformação. Confira algumas dicas a seguir! 

Reconhecimento do RH como organização 

É fundamental que as áreas transacionais de Recursos Humanos sejam vistas como organizações dentro da empresa e não apenas como setores essenciais que “cuidam” dos funcionários. 

Para isso, é importante conseguir mover-se de um modelo de governança de intimidade com o cliente interno para um sistema eficiente e de excelência operacional.

Dessa forma, os profissionais de Recursos Humanos passam a ter mais autonomia e a gerenciar melhor as suas tarefas, saindo daquela velha fase de “coleta” e “input” e indo para um foco mais na “análise” e “transformação” das informações. Assim, conseguem repassar conteúdos mais estratégicos para a liderança. 

Padronização e simplificação de processos 

Outra forma de gerar valor às áreas transacionais de Recursos Humanos é por meio de uma reformulação dos processos internos do setor. Atualmente, com o avanço de softwares e sistemas específicos, isso se tornou muito mais acessível às empresas. 

Sendo assim, com o suporte de tecnologias globais, é possível redesenhar os setores de RH para modelos de excelência operacional, otimizando tarefas, automatizando processos, facilitando serviços e possibilitando mais interação com todos os envolvidos. 

Para exemplificar, um Portal de RH pode ser compartilhado tanto com gerentes quanto com funcionários de uma empresa, cada qual com seus acessos permitidos a conteúdos que lhe interessem, como as políticas do negócio, de promoções etc. 

Isso traz uma autossuficiência para a empresa, na qual uma promoção, por exemplo, não precisa mais, necessariamente, passar pelo setor de Recursos Humanos, podendo ser realizada diretamente entre o gerente e o colaborador. 

Acompanhamento de tendências 

Com o mercado altamente dinâmico e flexível, por mais que o setor de RH atue de forma eficiente na empresa, é fundamental estar de olho nas tendências e mudanças de cenários. Afinal, a cada dia ferramentas são lançadas, funções se tornam disponíveis e, até mesmo, necessidades surgem dentro das rotinas. 

Para que esse acompanhamento se torne mais facilitado e dinâmico, é possível trabalhar com centros de expertises dentro das áreas transacionais de Recursos Humanos, que ficam responsáveis por avaliar e monitorar as novidades do mercado. 

Por exemplo, em uma gestão de performance que tem por objetivo treinar e melhorar o desempenho dos clientes internos, o centro de expertise deve estar atento e saber que tipo de treinamento seria, de fato, eficiente naquele momento, qual tipo de conhecimento seria interessante repassar para cada equipe etc. 

Mudança no mindset 

Todo processo de transformação digital no RH requer dos líderes muito planejamento estratégico e uma mudança na maneira de enxergar o setor e o seu papel para o negócio.

Mudar o mindset é permitir que a governança e os colaboradores reavaliem suas próprias convicções sobre tarefas, processos e ferramentas, construindo um novo olhar sobre tudo isso, conseguindo desenvolver uma capacidade de se adaptar e, principalmente, usufruindo dos benefícios que essas mudanças proporcionarão. 

Em resumo, essas foram algumas dicas e orientações sobre a importância e como gerar mais valor às áreas transacionais de Recursos Humanos nas empresas. Como vimos, ainda que respaldado pelos avanços da tecnologia, a valorização do capital humano é o fator mais valioso para um RH estratégico, possibilitando uma visão mais holística dentro do negócio e promovendo mais capacidades analíticas e consultivas entre as pessoas. 

Gostou do conteúdo? Tem alguma dúvida sobre o assunto? Então, deixe o seu comentário!

Autor

Ana Paula Rocha

Formada em jornalismo pela PUC-SP e pós-graduada em Mídias Digitais pelo Senac, Ana Paula Rocha tem mais de 10 anos de experiência com reportagens especializadas e para a internet. Atualmente, é gerente de conteúdo na Blueprintt, à frente das áreas de Serviços Financeiros, Finanças Corporativas e Serviços de RH.